Seguidores

27 de abr de 2010

Luiz Mott livra Igreja Católica de sofrer mega-escândalo de pedofilia

Luiz Mott livra Igreja Católica de sofrer mega-escândalo de pedofilia

Julio Severo

Um seminarista saiu do seminário católico porque achou que ali não era o lugar ideal para ele. Ele acabou encontrando no marxismo a maioria das respostas para suas “necessidades” sexuais.
Hoje, o ex-seminarista, além de homossexual assumido, é considerado o maior líder homossexual do Brasil (veja aqui entrevista dele no Programa do Jô: http://juliosevero.blogspot.com/2010/04/luiz-mott-no-programa-do-jo-propaganda.html). Mas ele é também acusado de defender a pedofilia. Veja aqui: http://juliosevero.blogspot.com/2007/08/luiz-mott-pedofilia-j.html



Não é fácil esconder por muito tempo a homossexualidade e a pedofilia num ambiente onde há restrições morais cristãs.

Mas dentro do marxismo e do movimento homossexual, é possível sair do armário, com o devido acobertamento e proteção, pois ilusões e mentiras fazem parte do jogo homossexual e marxista.
Por isso, não pipocam todos os dias escândalos de pedofilia vindo diretamente do movimento homossexual ou dos movimentos marxistas. É como se no meio deles não existisse nenhuma ameaça sexual aos meninos. É como se ali fosse o paraíso da pureza sexual, o lugar ideal para bebês e crianças.

Contudo, essa não é de forma alguma a realidade. Em 2007, desmascarei para o Brasil inteiro no meu blog o Dr. Denilson Lopes, professor universitário que publicou o artigo “Amando Garotos: Pedofilia e a Intolerância Contemporânea” num site homossexual. Para ver na íntegra o artigo dele salvo no meu blog, siga este link: http://juliosevero.blogspot.com/2007/07/pedofilia-e-homossexualismo.html

Depois de 3 anos, nenhuma autoridade tomou qualquer providência. Mas imagino que se eu tivesse me referido ao defensor da pedofilia como “Padre Denilson Lopes”, em menos de 3 dias a mídia nacional e internacional, o Ministério Público Federal, a polícia federal e um bando de outras criaturas apareceriam correndo para denunciar “mais um escândalo de pedofilia da Igreja Católica”, omitindo o fato óbvio de que, acima de tudo, Lopes é homossexual. Pelo visto, Lopes está muito bem abrigado e protegido num ambiente acadêmico marxista que, com toda a justiça, merece o nome de “Imbecil Coletivo”, título de um dos livros de Olavo de Carvalho.

Com professores universitários como Lopes e Mott, quem agora escreverá o “Coletivo de Pedófilos” para abrir os segredos desse armário marxista e homossexual?
A opção de Mott pelo marxismo e pelo movimento homossexual foi então uma questão de mera sobrevivência.

No entanto, por um lado teria sido bom se ele tivesse se tornado padre ou bispo. Só assim seus escândalos seriam destrancados do armário à força diante do público por uma mídia que está sempre pronta a acobertar a pedofilia dentro do marxismo e do movimento homossexual, mas jamais perde a oportunidade de denunciar padres que abusam de meninos. Mas, claro, sem jamais mencionar a homossexualidade deles, pois isso compromete fatalmente o movimento homossexual.

Para a mídia esquerdista, nesse jogo sujo a única atitude imoralmente válida é comprometer a Igreja Católica e suas posições contra o aborto e contra o homossexualismo.

É certeza que se o Vaticano abraçasse totalmente o marxismo, promovendo o aborto e ordenando oficialmente padres, bispos e cardeais homossexuais, os escândalos de pedofilia envolvendo a Igreja Católica desapareceriam misteriosamente dos noticiários. Afinal, amigo protege amigo.

Se a Igreja Católica fizesse essa mudança oficial, aí a mídia marxista seria obrigada a procurar outro alvo: as igrejas evangélicas conservadoras. O show então começaria: escândalos diários de pedofilia de pastores e outros líderes pipocando freneticamente diante do público.

O movimento homossexual e a elite marxista, que controlam a grande imprensa, sabem muito bem o que fazem quando “noticiam” os casos de abuso homossexual de meninos dentro da Igreja Católica, usando-a como bode expiatório das conseqüências da própria conduta que eles tanto estimulam nas escolas e na sociedade.

Mas homossexual é homossexual, seja na Igreja Católica, nas igrejas evangélicas, no marxismo ou no movimento homossexual.

A vasta maioria dos escândalos de pedofilia na Igreja Católica é de abusos sexuais de meninos, isto é, padres homossexuais abusando de menores de idade do sexo masculino.

Mas por que pensar que só dentro da Igreja Católica os homossexuais cometem abusos sexuais contra meninos? Por que pensar que no marxismo e no movimento homossexual eles automaticamente se tornam santos sexuais e protetores das crianças?

No mundo inteiro, ninguém hoje está lutando mais pela liberação sexual das crianças do que os grupos homossexuais. E, acredite se quiser, por essa “liberação” eles são considerados protetores e defensores de crianças. Nesse sentido, parece que Luiz Mott quer apenas ser um desbravador no Brasil dessa nobre “liberação”.

Mesmo com esses sinais claríssimos, veja o tratamento diferenciado que a mídia marxista dispensaria para Mott, dependendo da escolha dele:

1. Como padre ou bispo, Mott seria exposto como o demônio da pedofilia dentro da Igreja Católica. A mídia o usaria para levar o público a entender que sexo de homens com meninos tem tudo a ver com a Igreja Católica e seus valores morais, mas absolutamente nada a ver com o homossexualismo. Ele seria apresentado como escândalo de pedofilia produzido pela Igreja Católica. Eles diriam: “Que coisa horrorosa e criminosa: o padre ou bispo Mott envolvido em pedofilia!”

2. Como marxista e líder do movimento gay, ele é apresentado como um anjo, tendo sido elogiosamente condecorado por Fernando Henrique Cardoso e Lula por ter fundado o Grupo Gay da Bahia, que tagarela enfadonhamente que está havendo um “homocausto” no Brasil. Mesmo com suas declarações pró-pedofilia, ninguém na grande imprensa do Brasil o chama de “escândalo de pedofilia produzido pelo movimento homossexual”. Aliás, eles diriam: “Que coisa linda: o Dr. Luiz Mott, professor da Universidade Federal da Bahia, defendendo os direitos sexuais das crianças!”



Enquanto Mott permanecer no marxismo e no movimento homossexual, ele estará protegido e gozando todos os tipos de regalias da imprensa e do governo. Mas ai dele se quiser ser padre ou bispo. A mídia não o perdoará.

Moral da história? Se quiser esconder suas perversões sexuais, não faça isso na Igreja Católica e em nenhuma outra igreja cristã. O marxismo e o movimento homossexual são o armário ideal para esconder segredos sujos.

Como a Igreja Católica do Brasil pode enfrentar essa pilantragem midiática sustentada pelo movimento homossexual e pelo marxismo?

Fechando-se radicalmente para a teologia da “libertação” e abrindo-se radicalmente para o Espírito Santo e seus dons. Quando Mott estudou num seminário católico, era uma excelente oportunidade de ele receber ministração de libertação.

Conforme Marcos 16, o seguidor de Jesus Cristo tem o poder e a autoridade para ministrar cura e libertação para os que estão oprimidos, e é inegável que Mott entrou no seminário oprimido pelo homossexualismo. Mas os seminários católicos estavam infectados com a teologia da libertação e com um liberalismo doentio. O homossexualismo não é prática incomum entre liberais, sejam católicos ou não.

Para evitar abuso sexual de meninos, a Igreja Católica e todas as igrejas cristãs devem fazer uma triagem rigorosa para impedir que homossexuais enrustidos sejam ordenados. E devem se preparar, sob o poder e unção do Espírito Santo, para lidar com todos os que entram em seus seminários com problemas homossexuais. Aliás, essa abordagem apostólica deve ser regra para todos os que entram em igrejas cristãs.

A resposta para prevalecer sobre a mídia tendenciosa, o movimento homossexual e os movimentos marxistas é o Espírito Santo. Nenhuma força na terra, debaixo da terra ou nas esferas espirituais tem mais poder que o Espírito Santo.

O Espírito Santo é também a resposta para os homossexuais que, como Luiz Mott, entram no seminário em busca de soluções espirituais, mas só encontram liberalismo e mais homossexualismo. O Espírito Santo liberta dos piores vícios homossexuais, inclusive do sexo com meninos.

É verdade que ao deixar o seminário, Mott livrou a Igreja Católica de um mega-escândalo. Mas se alguém ali o tivesse ajudado a conhecer e experimentar o Espírito Santo, em vez de dizer hoje que o Cristianismo é opressivo, Mott estaria testemunhado que foi liberto de uma grande opressão.

Agora, quem livrará aquele que livrou a Igreja Católica?

Fonte: http://www.juliosevero.com/

Divulgação: http://www.pensamentosnaweb.com.br/

Luiz Mott no Programa do Jô: a propaganda pró-sodomia da Globo continua

Luiz Mott no Programa do Jô: a propaganda pró-sodomia da Globo continua

Julio Severo

Programa do Jô de 23 de abril de 2010 entrevista Luiz Mott, considerado o líder máximo do movimento homossexual do Brasil.

Em apenas 10 dias, Jornal Hoje defende PLC 122 como se fosse apenas um mero projeto de proteção aos homossexuais. Em seguida, o capítulo final da novela “Viver a Vida” traz “testemunho do ativista gay Oswaldo Braga. E agora, através do Programa do Jô, a Globo coloca o próprio Luiz Mott para fazer propaganda homossexual. Assista agora o vídeo do Blog Julio Severo mostrando e comentando os momentos mais interessantes de Mott no Programa do Jô: http://www.youtube.com/watch?v=jS5GNJxc1T4




Depois de mostrar Mott, a Globo, através do Jornal Hoje, voltou no sábado a insinuar a “necessidade” do PLC 122 para combater a “homofobia”. Neste cenário de mentiras e propaganda a favor da sodomia, a Globo quer mostrar para todo o Brasil que é merecedora do multimilionário investimento que o governo Lula faz na Globo através de empresas estatais como a Petrobras: Se a meta do governo Lula é aprovar o PLC 122, a Globo está junto.
O Golias global se levantou para apoiar o governo do rei Lula-Acabe.

Contudo, basta um Elias para enfrentar os profetas da propaganda mentirosa do rei Acabe.
Basta um Davi para derrubar o Golias.

Pois Deus não mudou: Ele é aquele que levanta os Elias, os Davis, e derruba os Golias e os Acabes.

Fonte: http://www.juliosevero.com/

Divulgação: http://www.pensamentosnaweb.com.br/

23 de abr de 2010

Google aponta Brasil como líder mundial no pedido de censura no Blogger, Orkut e YouTube

Nova ferramenta do Google aponta Brasil como líder no pedido de censura de conteúdo



O Brasil lidera o ranking de solicitações para censura em produtos e serviços oferecidos pelo Google, de acordo com dados divulgados pela empresa nesta terça (20). O país emitiu, no período de julho a dezembro de 2009, 3.663 pedidos de envio de dados de usuários e outros 291 para remoção de conteúdo. Entretanto, dados da China – conhecida por censurar conteúdo – não foram informados pois não podem ser divulgados pela empresa.


As informações têm como base uma ferramenta do próprio Google, lançada nesta terça, que informa quais foram os pedidos feitos por governos estrangeiros para obtenção de dados de usuários ou remoção de conteúdo dos serviços e produtos da empresa. O lançamento do Government Requests Tool ocorre logo após a polêmica do fim da censura a buscas no serviço chinês e o pedido para que as configurações de privacidade fossem reforçadas, feito em carta aberta assinada por dez países na última segunda-feira.


O UOL Tecnologia entrou em contato com o Google Brasil, para saber por que o país aparece na liderança desse ranking. Por meio da assessoria de imprensa, a subsidiária afirmou ainda não ter um porta-voz que possa dar um posicionamento sobre o assunto.

Segundo a empresa, os números retratados no mapa referem-se a informações que envolvem difamação, crimes de ódio e falsidade ideológica. A pornografia infantil não está retratada nessa ferramenta, de acordo com a companhia, porque o Google remove esse conteúdo imediatamente, assim que identificado, sem a necessidade de notificação.


Cerca de 82% das solicitações brasileiras estavam de acordo total ou parcialmente com a política do Google para esses casos. O Google mostra ainda para quais serviços da empresa foram feitas as solicitações: o Orkut está na frente de todos eles, com 119 pedidos diretos e outros 99 a partir de ordens judiciais. Em seguida está o YouTube (1 pedido direto e 32 por ordens judiciais) e o Blogger, com 21 pedidos via ordens judiciais.

Censura crescente na web


Ao mesmo tempo que lança a ferramenta, o Google faz um alerta sobre o crescimento da censura na web nos últimos tempos. No comunicado oficial, a empresa ressalta que mesmo diante da garantia de liberdade de expressão, existente no artigo 19 da Declaração Universal dos Direitos Humanos e que se aplica também à internet, “a censura na web por governos cresce rapidamente: do bloqueio imediato e filtragem de sites a ordens judiciais que limitam o acesso à informação, além da legislação que obriga as empresas a praticar auto-censura de conteúdo”.

Ainda assim, o Google faz uma ressalva, na página de perguntas e respostas do Government Requests Tool, de que os números apresentados não são 100% completos e precisos. Não foram incluídas estatísticas de países com menos de 30 notificações ou de pedidos feitos via formulário web nos serviços da empresa
Fonte: Notícias do UOL
Divulgação: www.pensamentosnaweb.com.br

Crime sem castigo: A educação sexual e seus frutos

Crime sem castigo: A educação sexual e seus frutos

Julio Severo

Causa: Governo inglês impõe educação sexual nas escolas. A mentalidade estatal crê que crianças devem aprender sobre sexo o mais cedo possível.

Consequência: Menina de 6 anos um dia consegue desabafar para a mãe que estava sendo diariamente estuprada por seus amiguinhos de escola.

A mãe da menina declarou para o jornal SkyNet:
Ela me disse coisas que penso toda mãe tem medo de ouvir da própria filha. Foi horroroso o que ela passou.

Todo dia tiravam a roupa dela. Todo dia cometiam abusos sexuais e físicos com ela. E todo dia ela chorava pedindo socorro [na escola] e ninguém jamais aparecia.

Penso que não dá para desculpar isso. Como é que dá par dizer que tudo está bem e ninguém tem de prestar contas de nada?

O jornal então conclui:

Uma investigação oficial do abuso aceitou o fato de que uma conduta sexualmente prejudicial realmente ocorreu, mas concluiu que não dá para se tomar nenhuma medida com os responsáveis, pois são jovens demais.

Ninguém tem a menor dúvida de que um crime muito sério foi cometido. Mas ninguém vai ser condenado — nem mesmo o Estado, que estimula as crianças ao sexo, e depois com a maior cara de pau lava as mãos diante das conseqüências.

Divulgação: www.pensamentosnaweb.com.br

20 de abr de 2010

KIT DO BRASILEIRO

KIT DO BRASILEIRO

*Vai transar?*
O governo dá camisinha.

*Já transou?*
O governo dá a pílula do dia seguinte.


*Teve filho?*
O governo dá o Bolsa Família..

*Tá desempregado?*
O governo dá Bolsa Desemprego.


*Vai prestar vestibular?*
O governo dá o Bolsa Cota.


*Não tem terra?*
O governo dá o Bolsa Invasão e ainda te aposenta.


*RESOLVEU VIRAR BANDIDO E FOI PRESO?*
a partir de 1º/1/2010 O GOVERNO DÁ O AUXÍLIO RECLUSÃO?

*esse é novo* >> Todo presidiário com filhos tem direito a uma bolsa que, é de R$798,30 "por filho"para sustentar a família, já que o coitadinho não pode trabalhar para sustentar os filhos por estar preso.

Não acredita?
Confira no site da Previdência Social.

Portaria nº 48, de 12/2/2009, do INSS
( http://www.previdenciasocial.gov.br/conteudoDinamico.php?id=22 )

*Mas experimenta estudar e andar na linha pra ver o que é que te acontece!*



"Trabalhe duro, pois milhões de pessoas que vivem do Fome-Zero e do Bolsa-Família, sem trabalhar, dependem de você"
Se você é brasileiro passe adiante.

Divulgação: pensamentosnaweb.com.br

17 de abr de 2010

ANUNCIANDO OUSADAMENTE A PALAVRA DE DEUS

ANUNCIANDO OUSADAMENTE A PALAVRA DE DEUS

Lição 3 - 18/04/2010

Texto Áureo: (2 Cr 7.14) "E se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face, e se converter dos seus maus caminhos, então, eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra"
Leitura Bíblica em Classe: Jeremias 7.1-11

TRÊS OUSADAS PALAVRAS DE ORDEM

1. HUMILHAR - ACEITAR MUDANÇAS DE CONDUTAS
* A presença divina é condicional a total fidelidade - Jr 7.2 Põe-te à porta da Casa do SENHOR, e proclama ali esta palavra, e dize: Ouvi a palavra do SENHOR, todos de Judá, vós os que entrais por estas portas, para adorardes ao SENHOR. Sl 101.6 Os meus olhos estarão sobre os fiéis da terra, para que se assentem comigo; o que anda num caminho reto, esse me servirá.

* A presença divina é condicional a nossa obediência - Jr 7.3 Assim diz o SENHOR dos Exércitos, o DEUS de Israel: Melhorai os vossos caminhos e as vossas obras, e vos farei habitar neste lugar. Jr 26.13 Agora, pois, melhorai os vossos caminhos e as vossas ações, e ouvi a voz do SENHOR vosso Deus, e arrepender-se-á o SENHOR do mal que falou contra vós.

* A presença divina é condicional a nossa confiança - Jr 7.4 Não vos fieis em palavras falsas, dizendo: Templo do SENHOR, templo do SENHOR, templo do SENHOR é este. Mt 15.8 Este povo se aproxima de mim com a sua boca e me honra com os seus lábios, mas o seu coração está longe de mim.

2. CONVERTER - ABANDONAR OS CAMINHOS ÍMPIOS

* O nosso caráter se revela no proceder incorrupto - Jr 7.5 Mas, se deveras melhorardes os vossos caminhos e as vossas obras, se deveras fizerdes juízo entre um homem e entre o seu companheiro, Tg 2.9 Mas, se fazeis acepção de pessoas, cometeis pecado, e sois redargüidos pela lei como transgressores.

* A nossa conduta boa ou má é notada pelas atitudes - Jr 7.6 se não oprimirdes o estrangeiro, e o órfão, e a viúva, nem derramardes sangue inocente neste lugar, nem andardes após outros deuses para vosso próprio mal, 3 Jo 1.5 Amado, procedes fielmente em tudo o que fazes para com os irmãos, e para com os estranhos.

* Só a nossa observância da palavra trás a restituição - Jr 7.7 eu vos farei habitar neste lugar, na terra que dei a vossos pais, de século em século. Dt 28.1 E será que, se ouvires a voz do SENHOR teu Deus, tendo cuidado de guardar todos os seus mandamentos que eu hoje te ordeno, o SENHOR teu Deus te exaltará sobre todas as nações da terra.

3. RESTAURAR - SATISFAZER AS CONDIÇÕES DIVINAS

* A nossa fé não deve ser firmada em meras fantasias - Jr 7.8 Eis que vós confiais em palavras falsas, que para nada são proveitosas. 2 Tm 4.4 E desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas.

* Ser restaurado é voltar aos antigos caminhos da fé - Jr 7.9 Furtareis vós, e matareis, e cometereis adultério, e jurareis falsamente, e queimareis incenso a Baal, e andareis após outros deuses que não conhecestes, Zc 9.12 Voltai à fortaleza, ó presos de esperança; também hoje vos anuncio que vos restaurarei em dobro.

* O homem não pode fazer os seus próprios caminhos - Jr 7.10 e então vireis, e vos poreis diante de mim nesta casa, que se chama pelo meu nome, e direis: Somos livres, podemos fazer todas estas abominações? I Co 10.23 Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm; todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas edificam.
Divulgação: www.pensamentosnaweb.com.br

14 de abr de 2010

A mentira que ganhou asilo

A mentira que ganhou asilo

Homossexual brasileiro obtém asilo nos EUA colocando o Brasil na estranha categoria de um dos campeões mundiais em violência e assassinatos de homossexuais

Julio Severo

Desde 2003, o governo Lula vem promovendo e impondo a agenda gay, não só no Brasil, mas também no mundo. Sob Lula, o Brasil foi o primeiro país a apresentar, em 2003, uma resolução na ONU classificando o homossexualismo como direito humano inalienável. O mesmo tipo de resolução foi apresentado pelo governo brasileiro na Organização dos Estados Americanos.

Sob o governo Lula, há crescentes mecanismos políticos e legais para amedrontar e amordaçar as pessoas que discordam do comportamento homossexual. O programa federal “Brasil sem Homofobia” exige interferência pró-homossexualismo do governo em todas as áreas da sociedade brasileira.

Mesmo assim, o homossexual brasileiro Augusto Pereira de Souza, de 27 anos, obteve asilo do governo de Barack Obama. Motivo? Perseguição. Ele alegou que não pode voltar ao Brasil porque o Brasil é um dos países mais violentos contra homossexuais. Aliás, o argumento para sua obtenção de asilo, conforme informa o blog gay “Queerty”, coloca o Brasil como um dos maiores assassinos de homossexuais do mundo, “com 180 assassinatos de LGBT registrados só em 2008”.

O maior propagandista do número de homossexuais assassinados no Brasil é o Grupo Gay da Bahia (GGB), cujo fundador é Luiz Mott, que é acusado de defender a pedofilia. O GGB, que foi a primeira grande organização homossexual militante do Brasil, afirma que entre 1980 e 2005 foram assassinados 2.511 homossexuais em todo o Brasil. O GGB não tem dúvida: o Brasil é o país mais homofóbico do mundo.

A defesa de Souza foi feita pela professora Suzanne Goldberg, da Clínica de Direito para Sexualidade e Gênero da Universidade de Columbia, juntamente com seus alunos. Goldberg usou dados do GGB para defender asilo para Souza.

De acordo com o site da Universidade de Columbia, “A concessão de asilo, decretada pelo Ministério de Segurança Nacional dos EUA, chega num tempo em que as condições para indivíduos gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros (GLBT) no Brasil estão ficando mais perigosas”. Sim, você leu direito: A Universidade de Columbia está dizendo efetivamente que sob as fortes políticas pró-homossexualismo do governo Lula, as condições para os homossexuais no Brasil estão ficando “mais perigosas”. Diante dessa paranóia vinda diretamente da Universidade de Colúmbia, ficamos tentando imaginar se as condições para os homossexuais estão ficando “mais seguras” no Irã e na Arábia Saudita.

Se o Brasil ficou “mais perigoso”, então por que Souza não pediu asilo no Irã ou Arábia Saudita?
Entre 1980 e 2005, somente homossexuais foram assassinados no Brasil? Dados oficiais mostram que nesse exato período foram assassinados mais de 800.000 homens, mulheres e crianças no Brasil. Hoje mais de 50.000 homens, mulheres e crianças são assassinados no Brasil por ano.

“Espere um minuto”, um ativista homossexual poderia dizer. “O governo diz que somos mais que 10% da população. Por isso, o número de homossexuais assassinados deveria ser 80.000!”
Se o Grupo Gay da Bahia fosse o Grupo Hetero da Bahia, aí a reação seria totalmente diferente: “2.511 é um número totalmente homofóbico, preconceituoso e discriminatório, pois não chega nem a 1% de 800.000. Exigimos no mínimo 10% da fatia desse número alto. Queremos igualdade! Se a população está sofrendo um elevado índice de assassinatos, exigimos o mesmo direito!”

E sobre os mais de 50.000 brasileiros assassinados por ano?

“Queremos 10% disso também. É nosso direito! Não aceitamos esse número homofóbico, insignificante e medíocre de apenas 180 homossexuais assassinados por ano!”

Eu também não entendo como o número de homossexuais assassinados não é muito maior, devido aos perigos a que eles se expõem. Oswaldo Braga, presidente do Movimento Gay de Minas, declarou que os travestis são a maioria dos homossexuais assassinados. Ele disse: “São homossexuais que estão mais envolvidos com a criminalidade, como prostituição e tráfico de drogas, ficando mais expostos à violência”. (Tribuna de Minas, 09/03/2007, p. 3.)

O número de 800.000 brasileiros assassinados mostra que falta segurança no Brasil. E faltam viaturas policiais. E agora, por causa do favoritismo governamental para com a agenda homossexual, as poucas viaturas disponíveis para a população terão de ser transferidas para proteger ambientes de prostituição e tráfico de drogas freqüentados por homossexuais?

Nasci em São Paulo, a cidade em que Souza alega que sofreu “perseguição”. Lembro que 25 anos atrás eu e um amigo, que éramos muito jovens, estávamos indo para a igreja. Passamos bem perto da Praça da República — um antigo ponto homossexual bem no centro de São Paulo —, e um bando de uns 6 homossexuais correu atrás de nós, gritando palavras lascivas. Foi uma experiência assustadora para dois jovens. Comportamentos homossexuais bizarros desse tipo eram comuns na Praça da República e, é claro, tinham o potencial de atrair reações violentas de quem não tivesse disposição de correr.

Eu devia temer mais que Souza. Cada vez mais, de forma descarada, shopping centers e outros lugares estão sendo usados como pontos de prostituição — bem nos banheiros masculinos. E, talvez por temor, os homens olham e ignoram. Já presenciei homossexuais que, dentro do banheiro do shopping, ficam ali como canibais do sexo anal, olhando cada homem que entra, esperando uma oportunidade de ataque. O que aconteceria se eu fosse reconhecido como Julio Severo no banheiro de um shopping?

Baseado em dados do Grupo Gay da Bahia, a Universidade de Columbia diz: “No Brasil, a polícia rotineiramente deixa de investigar a violência cometida contra indivíduos GLBT”.

A polícia brasileira tem imensa dificuldade de investigar todos os 50.000 assassinatos por ano, onde os heteros são vítimas. Se os EUA quiserem conceder asilo para todas as vítimas de crimes violentos no Brasil, os pedidos de asilo aumentarão para no mínimo 500.000 por ano. Por que achar que no Brasil somente homossexuais são vítimas de violência e assassinato num sistema socialista onde criminosos fortemente armados são livres para atacar vítimas fortemente desarmadas? A população inteira do Brasil é vítima desse cruel sistema.

Enquanto estou escrevendo este artigo, o Brasil está abalado com o desaparecimento e assassinato de seis adolescentes (Diego, de 13 anos; Paulo Victor, de 16; George, de 17; Divino, de 16; Flávio, de 14; e Márcio Luiz, de 19). O caso ganhou repercussão nacional nesta semana com a prisão do criminoso, Admar de Jesus, que é homossexual. Ele havia cumprido pena de quatro anos de prisão por pedofilia em Brasília, mas logo que foi solto começou a estuprar e matar rapazes. Há milhares de meninos brasileiros anualmente vítimas de estupradores homossexuais. A Universidade de Columbia lutará para que eles também obtenham asilo nos EUA?
Contudo, o pedido de asilo de Souza pode ser parte de um grande esquema político entre ativistas gays dos EUA e ativistas gays do Brasil — e a presença do Grupo Gay da Bahia é evidência do ativismo envolvido. Uma forte lei anti-homofobia já foi aprovada nos EUA e o asilo de Souza pode dar ao governo de Obama a desculpa perfeita para pressionar o Brasil a aprovar uma lei de “proteção” aos homossexuais que até agora Lula e seu governo não conseguiram passar, devido à resistência cristã.

Essa “proteção”, é claro, protegerá, promoverá e imporá ainda mais a agenda gay no Brasil.
A maioria dos 800.000 brasileiros assassinados não procurou zonas de prostituição e tráfico de drogas. Eles também não tinham direito à asilo nos EUA.

Mas muitos homossexuais preferem morrer a deixar suas Praças da República. Com a rota de asilo aberta por Souza, agora eles poderão ter uma segunda opção: as “seguras” zonas de prostituição e drogas dos EUA.

Portanto, num certo sentido, o Brasil deveria ser muito agradecido à Universidade de Colúmbia: Se todos os homossexuais brasileiros seguirem a rota de Souza, os meninos brasileiros nunca mais sofrerão desaparecimentos, estupros e assassinatos cometidos por estupradores gays, e o Brasil ficará livre dos ativistas gays, suas mentiras e tirania.

Versão em inglês deste artigo: The lie that got asylum

Fonte: www.juliosevero.com

Divulgação: www.pensamentosnaweb.com.br

12 de abr de 2010

Homens gays têm 44 vezes mais probabilidade de pegar o HIV e outras doenças do que homens heterossexuais

Homens gays têm 44 vezes mais probabilidade de pegar o HIV e outras doenças do que homens heterossexuais

Líder gay reconhece que a conduta homossexual é extremamente perigosa e a principal causa do HIV/AIDS nos EUA

WASHINGTON, DC, EUA, 17 de março de 2010 (Notícias Pró-Família) — Uma análise de dados divulgada hoje pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CCPD) enfatiza o impacto desproporcional do HVI e sífilis entre homens gays e bissexuais nos Estados Unidos.
Os dados, apresentados na Conferência Nacional de Prevenção de DSTs de 2010 dos CCPD, revelam que o índice de novos diagnósticos de HIV entre homens que têm sexo com homens (MSM) é mais de 44 vezes o número de outros homens e mais de 40 vezes o número de mulheres.
A amplitude foi 522-989 casos de novos diagnósticos de HIV por 100.000 MSM contra 12 por 100.000 outros homens e 13 por 100.000 mulheres.
O índice de sífilis de estágio inicial e secundário entre MSM é mais de 46 vezes do que entre outros homens e mais de 71 vezes do que entre mulheres, diz a análise. A amplitude foi 91-173 casos por 100.000 MSM contra 2 por 100.000 outros homens e 1 por 100.000 mulheres.
Embora os dados dos CCPD tenham mostrado por vários anos que homens gays e bissexuais compõem a maioria de novas infecções de HIV e sífilis, os CCPD avaliaram os índices dessas doenças pela primeira vez com base em novas estimativas do tamanho da população americana de MSM. Pelo fato de que os índices de doenças explicam as diferenças no tamanho das populações que estão sendo comparadas, os índices fornecem um método confiável para avaliar as disparidades de saúde entre as populações.
“Embora o pesado preço do HIV e sífilis entre homens gays e bissexuais seja há muito tempo reconhecido, essa análise mostra exatamente como são nítidas as disparidades de saúde entre a população gay e as outras populações”, disse o médico Kevin Fenton, diretor do Centro Nacional de HIV/AIDS , Hepatite Virulenta, DSTs e Prevenção de Tuberculose dos CCPD.
Fenton insistiu em que “as soluções para jovens gays e bissexuais são especialmente decisivas, de modo que o HIV inadvertidamente não se torne um rito de passagem para cada nova geração de homens gays”.
Em 2008 o diretor da Força Tarefa Nacional Gay e Lésbica, uma grande organização de militantes homossexuais, confessou que a conduta homossexual é extremamente perigosa e a principal responsável pela propagação do HIV/AIDS nos EUA.
Referindo-se ao índice de AIDS entre homossexuais, Matt Foreman da FTNGL disse que “Internamente, quando esses números são divulgados, a classe de militantes gays parece reagir com indiferença em massa, como se isso não fosse nosso problema. Gente, com 70 por cento dos portadores do HIV deste país sendo gays ou bissexuais, não podemos negar que o HIV é uma doença gay. Temos de aceitar isso e enfrentar a verdade”.
Veja a cobertura relacionada de LifeSiteNews:
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Fonte: http://noticiasprofamilia.blogspot.com

Divulgação: www.pensamentosnaweb.com.br

Gay é o assassino em serie em Goiás? Por que a imprensa não o chama de homossexual?





Gay é o assassino em série em Goiás? Por que a imprensa não o chama de homossexual?

JORGE NILSON

A reportagem mostra como o serial killer atraia as vitimas para o desfecho final do assassinato. “Gravações obtidas com exclusividade pelo Fantástico mostram o pedreiro Admar de Jesus, apontado pelo assassinato de seis jovens que desaparecerem em Luziânia (Goiás), entre dezembro do ano passado e janeiro deste ano, indicando os locais onde enterrou os corpos. O pedreiro foi preso neste sábado (10). Os policias chegaram até ele porque um parente do pedreiro estava usando o celular de uma das vítimas”.


Veja como ele conseguia conquistar as vitimas:


“Ele oferecia pequena quantia em dinheiro para que os menores, os adolescentes os acompanhassem para realizar um pequeno serviço e daquele pequeno serviço, a conversa evoluía para o contato sexual”.


O criminoso já havia cumprido pena e estava solto por causa do bom comportamento: "Admar já havia ficado preso em Brasília por mais de quatro anos por pedofilia. Ele foi solto em dezembro do ano passado, beneficiado pela progressão de pena, direito dado a presos de bom comportamento. Apesar de um laudo psiquiátrico atestar que ele apresentava sinais de psicopatia. Uma semana depois fez primeira vítima".


O que mais nos chama a atenção é que em nenhum momento a reportagem o trata como homossexual. Se não fosse a declaração do chefe do Departamento de Polícia Judiciária de Goiás, Josuemar Vaz de Oliveira, não saberíamos a motivação dos crimes. E se fosse ao contrário, ou seja, se ele fosse hetero e matasse seis homossexuais? Pronto, ai os ativistas gays juntamente com os seus comparsas da imprensa e dos direitos humanos, ladeados com os apoiadores governamentais fariam o maior alarde divulgando crime de “homofobia e discriminação”.


Onde estão os ativistas homossexuais para colocarem esses números de assassinatos em série nas costas de um gay. E ai, vão ficar calados? Vão agora aos programas de auditório “debater” esse crime de heterofobia. Quem será que incentivou o ódio contra esses seis garotos para serem assassinados por um gay?

10 de abr de 2010

Os perigos do desvio espiritual

Lição2 (Os perigos do desvio espiritual)


Leitura Bíblica em Classe Jeremias 2.1-7,12,13

Introdução
I. O que é apostasia?
II. Um brado contra a apostasia
III. Em que consistia a apostasia de Israel?
Conclusão
Tema do Subsídio
Pregador e Pregação: Um antídoto eficaz contra a apostasia

Prezado professor, na lição de hoje o universo temático é palpitante: Apostasia. A apostasia é um ataque interno, ela surge silenciosamente no seio da família, igreja e seminários; e se externaliza em seus efeitos perante a sociedade.
O subsídio dessa lição se propõe analisar os instrumentos eficazes para denunciar e erradicar a Apostasia: Pregador e Pregação.
Visando fazer um diálogo desses dois instrumentos com a problemática da apostasia, queremos mostrar a relevância e a seriedade que se deve aplicar ao exercício da pregação contemporânea.

A relevância do Pregador

O pregador contemporâneo tem um grande desafio pela frente: ser autêntico com a genuinidade do Evangelho. O grande perigo que sonda o pregador é a espetacularização da mensagem. A consequencia é a “fabricação” da mensagem para massagear egos e não comunicar verdades palpitantes do texto bíblico. Deve o pregador ter em mente que a sua relação com a Bíblia deve ser a mais natural possível. Sobre isso diz o doutor Martin Lloyd-Jones (o relevante pregador britânico de sua época) ao pregador: “O grande perigo é lermos a Bíblia ao acaso, pegando somente as passagens de que gostamos. O certo seria lermos a Bíblia pelo menos uma vez por ano, todos os anos. Feita essa leitura geral todos os dias, podemos estudar um livro específico da Bíblia com a ajuda de comentários. Não se deve ler a Bíblia à procura de textos para sermões, mas sim porque ela é um alimento de Deus para a alma. Assim fazendo, logo descobriremos um texto em particular que nos abala, sugerindo um material para o sermão”.

Esse condicionamento para o texto bíblico implicará na motivação do Pregador. O pregador que tem em sua alma a essência do Evangelho poderá falar seguramente “Assim diz o Senhor!”, ainda que esta fala afronte diretamente interesses particulares. O Evangelho não é para concessões, mas nós devemos a todo tempo fazer as concessões que o Evangelho determina. É o Evangelho que faz o homem retroceder nos seus intentos ruins. Sentir o que Deus sente, falar o que Deus fala só é possível a partir da relação íntima cultivada com Ele após perscrutar os direcionamentos dados através de suas Verdades. Por isso, a relação do pregador diante da revelação de Deus, deve ser proporcional a necessidade íntima que ele manifesta perante Deus, ou seja, precisa vir da relação mais natural possível com a Palavra de Deus.


A pregação e a apostasia

Para a apostasia ser combatida e erradicada, a pregação deve desempenhar um papel relevante. Seus aspectos, desafiador, corretor e consolador precisam ser preservados com a base do amor. Podemos tomar emprestadas algumas considerações de Jhon MacARTHUR, Jr. , onde ele explora com destreza as características da pregação:
• A pregação deve receber a devida prioridade;

• A pregação deve receber a devida fundamentação;
• A pregação deve possuir o devido conteúdo;

• A pregação deve conter o devido compromisso;

• A pregação deve manifestar o chamado supremo do pregador.

Expressando de forma autêntica, o Pastor George O. Wood expõe a seriedade da pregação elegendo um método: “Uma razão para o pastorado longo: ‘Pregação Expositiva’ . A pregação expositiva basicamente toma uma perícope da Escritura respondendo duas perguntas: O que disse? E o que diz? Após responder essas perguntas, os pontos principais e os subpontos da mensagem são regidos pelo próprio texto, ou seja, a pregação expositiva não permite ondulações externa ao texto, mas exige que o pregador domine integralmente o âmago do texto para garantir a fidelidade na exposição do texto bíblico. Por isso o papel da pregação no combate à apostasia é tão relevante!

Olhando para a história da igreja, aonde ocorreram os Avivamentos, Despertamentos e Arrependimentos; a seriedade kerigmática sempre esteve presente nesses movimentos (John Wesley; Charles Spurgeon; Jonathan Edwards; etc...). Portanto, contra a apostasia, faz-se necessário o exercício sério, paulatino, intelectual e espiritual da pregação. Esta por sua vez precisa responder perguntas que estão sendo feitas, precisa comunicar verdades absolutas, precisa iluminar as mentes, precisa aquecer os corações, precisa acalmar o aflito, precisa incomodar o acomodado, precisa desafiar à encarnarnação dos valores contido no Reino. O Pregador precisa falar e o povo precisa ouvir, assim, a apostasia terá uma poderosa barreira no seio da igreja!

Referência Bibliográfica

MACARTHUR, JR., John. Ministério Pastoral, Alcançando a excelência no ministério cristão. Rio de Janeiro. 4ª ed. CPAD, 2004.
Manual Pastor Pentecostal, Teologia e Práticas Pastorais. Rio de Janeiro. 3ª ed. CPAD, 2005.

Fonte: CPAD

9 de abr de 2010

"Santa" incoerência!

“Santa” incoerência!

Julio Severo

De acordo com o noticiário CNSNews.com, uma grande conferência islâmica na Arábia Saudita na semana passada finalizou condenando o terrorismo e apelando para que os muçulmanos rejeitem o extremismo. Mas a declaração também recomenda que todos os governos muçulmanos apliquem a xaria (lei islâmica) “em todos os aspectos da vida”.

Sob a xaria, alguns governos islâmicos, inclusive na Arábia Saudita e a própria Autoridade Palestina, tratam a apostasia como crime capital, isto é, qualquer homem ou mulher que deixar o islamismo é condenado à morte. Vale lembrar que sob a xaria não há igrejas cristãs na Arábia Saudita e os diplomatas cristãos de outros países não têm permissão de adorar Jesus Cristo nem mesmo dentro de suas próprias embaixadas!

Sob a xaria, o número de cristãos dentro dos territórios ocupados pela Autoridade Palestina está diminuindo drasticamente, pois um muçulmano palestino tem permissão de converter cristãos ao islamismo, mas não vice-versa.

Na Arábia Saudita, na Autoridade Palestina e em outros lugares islâmicos a conversão ao Cristianismo ou falar do Evangelho a um muçulmano traz a pena de morte. Aliás, a xaria ordena morte aos “infiéis”: todos os que não estão dentro do paraíso islâmico.

Quando aplicada a todos os aspectos da vida, a xaria dá ao muçulmano permissão de ter várias mulheres e de surrar as esposas desobedientes. Essa é apenas algumas das “regalias” da lei islâmica.

Entretanto, não pense que a incoerência é marca registrada dos islâmicos, que condenam o terrorismo, mas defendem a implantação da xaria em todos os países.

No Brasil, o presidente Lula, que é católico da espécie caótica, diz que pessoalmente é contra o aborto, mas a favor de sua legalização. O que ainda não se viu é um presidente invertido e contraditório do outro lado, declarando apoiar o aborto, mas lutando vigorosamente contra sua legalização.

Lula, que adora dizer que defende direitos humanos, também adora posar para fotos com seus muy buenos amigos Fidel Castro (diplomado e medalha de ouro em assassinatos, traição, ditadura e terrorismo), Hugo Chavez (diplomado e medalha de bronze em assassinatos, traição, tirania e terrorismo) e Mahmoud Ahmadinejad (medalha de ouro em terrorismo internacional; está nos exames finais para obter seu doutorado em genocídio atômico), o presidente do Irã que quer varrer Israel da face da terra para se curar de sua neurose antissemita. Em sua última viagem a Cuba, um prisioneiro político morreu bem debaixo das barbas de Fidel e Lula, mostrando assim sua fidelidade a um ideológico evangelho de discrepâncias, produto da teologia da “libertação” made in CNBB.

Essa “santa” contradição também se vê entre os evangélicos. A revista Ultimato tem como seus maiores articulistas Robinson Cavalcanti, Ricardo Gondim, Paul Freston e René Padilha, que são mais marxistas que qualquer outra coisa. Apesar disso, a publicação jura que não é marxista.
Cavalcanti ficou famoso como fundador e mentor do esquerdíssimo MEP, Movimento Evangélico Progressista, que deu uma mãozinha para Lula e seu socialismo receberem apoio das lideranças evangélicas nas eleições presidenciais de 2002.

Assim como Cavalcanti, Ultimato não larga de jeito nenhum da chamada teologia da missão integral, que nada mais é do que a irmãzinha da teologia da “libertação” e uma atraente cobertura no bolo ideológico contendo o velho recheio do marxismo para lá de estragado.
Os incoerentes são assim mesmo: Promovem com a maior cara de pau aquilo mesmo que condenam publicamente.

Por isso, se lhe disserem que o islamismo é a “religião da paz” ou que o socialismo é paz e amor, é exatamente o contrário! Mas se você disser a verdade sobre o islamismo, há dois tipos de conseqüências:

1. Se você disser essa verdade na Arábia Saudita ou na Autoridade Palestina, você será executado, por “blasfêmia”.

2. Se você disser essa verdade no Brasil, sua liberdade de expressão será executada pelas leis antidiscriminação, que parecem funcionar muito bem para todo mundo, menos para os cristãos, acostumados a xingamentos, blasfêmias e difamação de todos os lados.

Agora veja o que acontece com o adepto da “religião da paz” se ele atacar o Cristianismo:

1. Se ele atacar o Cristianismo e os cristãos na Arábia Saudita e na Autoridade Palestina, ele será louvado como herói de Alá. Ele receberá abraços e cumprimentos de uma multidão inumerável de islâmicos.

2. Se ele atacar o Cristianismo no Brasil, ele estará protegido pelo direito constitucional de livre expressão… Ele receberá abraços e cumprimentos de uma multidão inumerável de socialistas.
Sob esse direito constitucional, os islâmicos fazem a farra. Dias atrás recebi uma ameaça, dizendo que o Blog Julio Severo foi denunciado à SaferNet por publicar um artigo sobre Mosab Hassan Yousef, filho de um dos fundadores do grupo terrorista palestino Hamas. Motivo da denúncia: discriminação contra o islamismo. Yousef cometeu um “crime” muito grave: apostasia. Ele deixou o islamismo e se entregou a Cristo. E meu blog ousou defender a “apostasia” dele!
Recebi o mesmo tipo de ameaça quando publiquei artigo denunciando a intolerância muçulmana contra os judeus numa cidade sueca. Estranhos internautas do Oriente Médio agora estão monitorando o Blog Julio Severo.

E a liberdade de expressão, onde fica nisso tudo? Ela é muito importante — somente em países não muçulmanos e não socialistas — para ajudar a implantar a revolução islâmica e socialista.
Depois que sua revolução vai andando, os islâmicos e os socialistas exigem “diversidade e pluralidade” — coisas que seus países não têm — sufocando cada vez mais a liberdade de expressão dos outros e invertendo completamente os papéis de “oprimido” e “opressor”.
Não estranhe pois se os adeptos da “religião da paz” aparecerem um dia se fazendo de vítimas e dizendo que precisam implantar a xaria no Brasil a fim de se protegerem do “terrorismo” de certos blogs. A xaria então será apresentada como a lei ideal para salvar o Brasil e o mundo do “terrorismo”.

Não estranhe também ver o caótico Lula, cujo governo socialista é apaixonado pela agenda gay, abraçado com o neurótico Ahmadinejad, cujo governo islâmico não tem paixão nenhuma por nenhuma agenda gay. Entre dois paranóicos, nada mais normal do que a contradição, a incoerência e a discrepância andarem de mãos dadas.

Resta saber agora qual dos concorrentes — o socialismo ou o islamismo — ganhará o Prêmio Nobel da Incoerência.


Fonte: http://www.juliosevero.com/

Divulgação: http://www.pensamentosnaweb.com.br/

Denominação esquerdista ajuda revolução islâmica

Denominação esquerdista ajuda revolução islâmica

Julio Severo

Por 130 anos, a cidade de Binghamton, no Estado de Nova Iorque, era sede da Igreja Episcopal do Bom Pastor, Mas recentemente, a denominação episcopal vendeu o lindo templo para o Centro de Consciência Islâmica.

Ao vender o templo para os muçulmanos, a denominação episcopal matou dois coelhos numa cajadada só. Primeiro, eles estão promovendo diversidade e ecumenismo. Segundo, eles conseguiram atrapalhar a congregação que havia se tornado “conservadora” demais.

Enquanto a denominação episcopal está ordenando homossexuais e lésbicas como pastores e bispos, a congregação da Igreja Episcopal do Bom Pastor decidiu que era hora de deixar a denominação. E a denominação decidiu que era hora de lhes tomar o templo e a propriedade.

O Rev. Matt Kennedy, da Igreja Episcopal do Bom Pastor, conta que sua congregação cresceu com estudos bíblicos semanais lotados de pessoas e muitos jovens estavam procurando a igreja. Mas isso não comoveu os líderes denominacionais, que no fim, com uma ação judicial agressiva, tomaram toda a propriedade.

A congregação, órfã de seu lindo e antigo templo, recebeu apoio e encorajamento de presbiterianos, batistas, metodistas, católicos, ortodoxos e pentecostais. Uma igreja batista ofereceu seu espaço para a congregação adorar a Deus. Então, graças a uma oferta generosa do monsenhor católico, o templo católico, que estava vazio, se tornou o lugar de adoração da Igreja Anglicana do Bom Pastor.

O antigo templo da Igreja do Bom Pastor é agora uma organização dawah, com representantes prontos para promover encontros em escolas, associações de pais e outras organizações comunitárias para apresentar o islamismo e os muçulmanos. O Centro de Consciência Islâmica declara que “explicará a mensagem de paz do islamismo, dará de graça exemplares do Corão e dará respostas às perguntas dos interessados. Oferecerá também programas apropriados para crianças usando marionetes”.

Em outra cidade próxima está “Islamberg”, uma instituição islâmica de treinamento militar. Islamberg é também a sede do grupo Muçulmanos da América, uma organização ligada ao grupo terrorista paquistanês Jamaat ul Fuqra. Ali, homens e mulheres estão sendo treinados em técnicas de guerrilha, combate corpo a corpo e o uso de rifles automáticos.

Sabe-se que depois do dawah, termo usado para designar o trabalho missionário islâmico de convidar pessoas a entrar no islamismo, tradicionalmente vem a jihad, isto é, a guerra santa.

A denominação episcopal — que faz parte da Comunhão Anglicana — preferiu ajudar os islâmicos em sua dawah, desalojando evangélicos que pregam o Evangelho, estudam a Bíblia e ajudam os pobres. Lamentavelmente, a denominação episcopal talvez nem saiba o que é dawah, por estarem ocupados demais ordenando homossexuais e lésbicas.

Na Inglaterra, Alemanha e outros países europeus, é muito comum os islâmicos comprarem antigos templos evangélicos e católicos. Agora, a revolução islâmica aos poucos conquista os mesmos espaços nos Estados Unidos, avançando sorrateiramente enquanto as igrejas liberais e esquerdistas estão entregando a alma no altar do homossexualismo.

Escrito totalmente a partir de matéria da revista FrontPage.
Divulgação: pensamentosnaweb

4 de abr de 2010

O voto cristão no contexto ideológico das eleições de 2010

O voto do cristão no contexto ideológico das eleições de 2010

Dr. Uziel Santana

“’Dictamen’ reflexivo aos padres, pastores, líderes cristãos e defensores das liberdades fundamentais.”

Que tipo de eleição se avizinha agora para nós? O que podemos esperar dos candidatos e partidos envolvidos neste novo processo eleitoral e seus respectivos programas e plataformas de governo? Enfim, o que estará, definitivamente, em jogo nas Eleições de 2010? É sob o fulcro deste conjunto de questões reflexivas que iremos analisar, neste ensaio, alguns aspectos que estão envolvidos no próximo pleito e que têm sérias implicações e repercussões para o exercício público e livre da fé cristã. E é exatamente por esta razão que este Dictamen reflexivo se dirige, mormente, aos cristãos e sua liderança. Muito embora, pelo conteúdo aqui expressado, o que está em jogo, no contexto ideológico das Eleições de 2010, mais do que a liberdade religiosa, é o conjunto das liberdades civis fundamentais do ser humano e da sociedade.

Avizinha-se uma Eleição, ideologicamente, bem definida, onde os atores políticos e seus partidos têm deixado, mais do que nunca, às claras, os ideais morais, religiosos, culturais e político-sociais que cultivam, defendem e promovem. Por assim ser, inelutavelmente, a situação conjuntural atual exige de nós, cristãos, uma tomada firme de posição quanto ao que está (será) (im)posto. Usando uma figura de linguagem: entre os cristãos, o joio e o trigo comparecerão ao “Tribunal da Colheita” no escrutínio de outubro de 2010. E, assim, a questão que se apresenta para nós cristãos é: como deve ser o voto do cristão no contexto ideológico das eleições de 2010?


Ao analisarmos a historiografia dos processos eleitorais brasileiros após o Regime Militar (1964-1985) — dentro do atual contexto da chamada Nova República —, observamos que, estamos vivendo uma conjuntura política suis generis, quanto à determinação dos valores morais, culturais, religiosos e sociais a serem assumidos e promovidos pelo Estado brasileiro. Se no contexto das eleições de 1985, 1989, 1994, 1998 e 2002, os debates dos presidenciáveis — e, assim também o era, em nível estadual — se situaram em questões (macro e micro) econômicas (como foi o caso de FHC e Lula, em 1994 e 1998), em questiúnculas casuísticas sobre a vida dos adversários políticos (como foi o caso de Collor e Lula, em 1989) ou mesmo em promessas “palanqueiras” vazias, fruto da retórica retumbante dos “politiqueiros” brasileiros (como, entre tantos exemplos, foi o caso da promessa de “caça aos marajás” de Collor, em 1989), agora nas Eleições de 2010, com as temáticas e políticas públicas promovidas pela era Lula (2003-2010), com o lançamento das candidaturas de Dilma Rousseff (PT) e José Maria Eymael (PSDC) e, possivelmente, Marina da Silva (PV), José Serra (PSDB), Ciro Gomes (PSB), o que se mostra, sob uma perspectiva cristã, é um quadro eleitoral que, para nós, deve ser centrado em um debate, eminentemente, ideológico, mesmo que os discursos oficiais propostos sejam outros. Por quê? Porque, olhando para os referenciais teóricos e programáticos desses presidenciáveis, grande parte deles — como o foi o Governo Lula, in totum — adota uma ideologia programática, altamente, anticristã, semelhantemente ao que ficou demonstrado no lançamento do Decreto nº 7.037 de 21 de dezembro de 2009 — o PNDH-3 (Programa Nacional de Direitos Humanos).


O Governo Lula, finalmente, no apagar das luzes do ano de 2009 (como é práxis neste governo) e da sua Era, mostrou, in claris, o que tentou fazer e promover, em termos morais, religiosos, culturais, sociais e políticos, no nosso país, nos últimos oito anos. Eis a sua “Revolução Iluminista”: a formação de um Estado laico, anticristão, amoral, corrupto (onde os fins justificam os meios), adepto de uma democracia do tipo ditatorial-plebiscitária (nos moldes de Hugo Chávez da Venezuela), onde a “sociedade” é menos importante que o “movimento social” e a maioria é subjugada pelas pretensões políticas — sejam quais forem elas — da minoria.


Neste mesmo sentido, quando do lançamento da candidatura da presidenciável Dilma Rousseff, conforme ela mesmo assentiu em seu discurso inaugural, o fundamento das suas diretrizes programáticas é a constituição, a partir da sua eleição como presidenta, de um “Estado Forte”, evidente que, nos mesmos termos da Era Lula, sendo que agora, não mais de uma forma gramsciana (que propunha uma revolução silenciosa em busca de tomar as estruturas do poder pela “pregação” latente de uma hegemonia cultural-moral), mas de uma forma stalinista (uma revolução ostensiva e cruel). Isso é, realmente, assustador.


“Nunca na história deste país” — parafraseando o Presidente — os cristãos e suas igrejas foram tão atacados em seus valores e dignidade. “Nunca na história deste país”, os valores cristãos foram tão depreciados, estigmatizados e estereotipados. “Nunca na história deste país”, a liberdade religiosa, de expressão e de culto estiveram tão ameaçadas, como foi no caso da tentativa de aprovação, “a toque de caixa e à força”, do PL 122/2006 (o PL da ditadura gay) que ainda tramita no Senado Federal e que é amplamente apoiado pelo governo petista, através da Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República — Secretaria esta que produziu o absurdo jurídico-moral do PNDH-3 que, entre outros, prevê a promoção do aborto, do homossexualismo, das invasões do MST, do enfraquecimento do Judiciário, das inconstitucionais políticas de cotas, da profissionalização da prostituição e do adultério, da adoção de crianças por homossexuais, da retirada dos símbolos cristãos dos órgãos públicos, da censura prévia a imprensa, da desconstrução dos valores familiares e etc.


Definitivamente, a liderança cristã do Brasil precisa reagir. Porque, se em oito anos de governo petista tivemos isso, tivemo-lo por omissão — e muitas vezes por ação — da liderança cristã. Foi desse modo, inclusive, que Lula venceu, sobretudo, as eleições de 2006, com o amplo apoio de bispos, pastores, instituições como a CNBB (que, por certo, não representa a Igreja Católica brasileira como um todo) e várias denominações evangélicas.


Os fatos que estamos a descrever aqui neste ensaio — e este é o meu Dictamen a vocês líderes cristãos — devem ser levados ao conhecimento dos membros de cada uma das suas comunidades eclesiais, porque, assim, as pessoas terão a possibilidade de conhecer uma parcela considerável da verdade dos fatos que, por certo, não é transmitida pelos meios de comunicação de massa. E, assim, os fiéis cristãos terão a possibilidade de tomar suas decisões eleitorais livremente, sem o véu e o viés da ignorância. E, aí, o próprio Cristo, na sua onisciência, saberá quem, na hora do escrutínio, decidiu por votar a favor dos valores dEle ou a favor dos valores deste mundo, isto é, quem, entre nós, é joio e quem é trigo. Esta é a chance que ainda temos para que no Brasil não vivamos sob a égide de uma ditadura esquerdista, travestida de democracia, como um lobo vestido com pele de ovelha.


Que esse seja o nosso engagement, enquanto cristãos conscientes do nosso papel de ser luz e sal na terra, frente às Eleições ideológicas de 2010.

Fonte: www.uzielsantana.pro.br

Divulgação: www.juliosevero.com

Apoio: pensamentosnaweb

3 de abr de 2010

Lição 01 - Jeremias, o profeta da Esperança

Lição 01 - Jeremias, o profeta da Esperança



Leitura Bíblica em Classe Jeremias 1.1-10


I. A origem sacerdotal do profeta Jeremias
II. A vocação de Jeremias
III. O estado civil de Jeremias
IV. A postura profética de Jeremias


Tema do Subsídio

Visão panorâmica e conceito de Justiça no Livro de Jeremias

Prezado professor, estamos iniciando mais um trimestre de Lições Bíblicas. O tema a ser abordado é “Jeremias: Esperança em tempos de crise”. O livro de Jeremias é rico em profecias (que se cumpriram e vão cumprir) e episódios históricos importantes que marcam a história do povo hebreu. Mas acima de tudo, o livro de Jeremias tem o ponto central que iremos abordar neste subsídio: a Justiça de Deus. O princípio de Justiça permeia todo o livro do profeta Jeremias. No subsídio dessa lição, além de abordar o conceito de Justiça de Deus, faremos uma análise panorâmica do livro de Jeremias denotando as seguintes questões: Data, autoria, esboço teológico, sermões e passagens importantes do livro de Jeremias. Outras questões a serem consideradas nesse subsídio são a missão do profeta e lições contemporâneas proveitosas para a vivência atual da igreja do Senhor nesse mundo. Desejamos ao prezado professor, um rico aprendizado nesse trimestre! Deus abençoe as suas aulas!

Data e autoria

Fortes evidências internas identificam Jeremias como o autor do livro que leva seu nome. Muito de seu conteúdo foi compilado exatamente antes da rendição de Jerusalém, em a.C.

Esboço teológico

I. A Missão de Jeremias (1 – 10)
II. A violação da Aliança (11 – 20)
III. A aproximação do julgamento (21 – 29)
IV. A nova aliança (30 – 33)
V. A queda de Jerusalém (34 – 52)

Sermões[1]

Na época de Josias: Jr 2.1 – 3.5; 3.6 – 6.30; 7.1 – 10.25; 18.1 – 20.18
Nos dias de Jeoaquim: Jr 14 – 17; 22 – 23; 25 – 26; 35 – 36; 45 – 48
No dias de Zedequias: Jr 21; 24; 27 – 34; 37 – 39; 49
Nos dias de Gedalias[2]: Jr 40 – 44
As últimas mensagens: Jr 50 – 52

Principais passagens

Jr 2. O profeta classifica os pecados de Judá
Jr 17. O pecado é uma questão de foro íntimo da humanidade
Jr 23. Os falsos profetas. Como identificá-los
Jr 28. Os profetas falsos versus os verdadeiros
Jr 31. Deus promete uma nova aliança a seu povo

A Justiça de Deus

A Justiça de Deus é tema recorrente no livro de Jeremias. No Antigo Testamento há vários termos que caracterizam o conceito bíblico de Justiça, onde nesta oportunidade destacaremos três: yashar; mishpat; sedeq. O termo yashar denota o caminho “reto”, “direito”, “suave”, apontando o princípio de retidão norteadora no caminho do indivíduo (Pv 9.15; Pv 15.21). A palavra mishpat denota julgamento, o termo informa que o juíz que julga as causas, deve portar o atributo do mishpat, ou seja, da “justiça”, do “direito” e da “retidão”. O terceiro termo, sedeq, assinala o que é “justo”, “direito” ou “normal” como peso e medidas plenos de justiça. O Eterno é o Deus de Justiça (Is 30.18), é inconcebível o Eterno não agir segundo a sua Justiça e não exigir de sua criatura o exercício dos princípios dessa Justiça (Mt 5.6). Deus julga justamente (Sl 9.4) e os seus julgamentos são corretos e executados para o supremo bem da humanidade (Sl 119.75). Eis a Justiça de Deus!

A missão profética de Jeremias

Diante do conceito de Justiça, Jeremias é impelido por Deus a proclamar o juízo do Senhor em relação ao destino da nação hebreia, cuja face virou para o Eterno. A servidão a deuses, as injustiças sociais, as alianças indevidas, a inobservância do descanso da terra, foram fatores determinante para o exercício do juízo que o Senhor ordenou.
Na época dos reis Josias (640-609 a.C.); Jeoaquim (609-598 a.C.); Joaquim (598-597 a.C); Zedequias (597-586 a.C.); Judá foi dominada por Babilônia. É nesse contexto que a sentença de Deus foi anunciada, onde Jeremias recebeu a incumbência de Deus para desempenhar uma missão nada popular: conclamar todo Judá a submeter-se ao império babilônico como uma disciplina ordenada pelo Senhor. Os reis e o povo de Judá não aceitaram essa mensagem e na mesma medida rejeitaram a Deus em favor das divindades pagãs.

Lições Contemporâneas no livro de Jeremias

No contexto nacional da sociedade hebreia onde a majoritariedade dos “oráculos” que egocêntricos predominavam, não havia a permissão para qualquer comunicação pessimista da ação praticada por parte da nação judaica. Deve-se levar em conta que no contexto vivencial de Jeremias, a maioria dos profetas pronunciava profecias otimistas, de conquistas e independência, enquanto Jeremias - o profeta solitário - sustentava a verdade estabelecida por Deus, sobre o seu povo, nada popular.
Enquanto o profeta solitário proclama o juízo de Deus, os demais profetas proclamavam o sofismo triunfalista. Naturalmente o profeta Jeremias foi desacreditado pela elite judaica e rejeitado pelo sistema institucional da época. Seus algozes já tinham planejado o discurso triunfalista de conquista e domínio, mas mal sabiam eles que os seus destinos já estavam sacramentados, eles não voltariam atrás.
O livro do profeta Jeremias vai ao encontro de uma realidade presente hoje no contexto contemporâneo: a sedução triunfalista do povo. Essa sedução é tão enraizada, como nos dias de Jeremias, que não se cogita a possibilidade desses devaneios serem removidos do nosso seio. O povo de Deus deve atentar que o Altíssimo tem sempre um plano perfeito para executar, e nem sempre a forma de articulá-lo entre os seres humanos é bem vinda. O importante e o que é inegociável são a destreza de discernir o tempo presente e a confiança de está sob a soberania do Eterno custe o que custar. A sua graça é plenamente suficiente!

Referência Bibliográfica
RICHARDS, Lawrence O. Guia do Leitor da Bíblia. 1ª ed. Rio de Janeiro, CPAD, 2005.
Dicionário Bíblico Wycliffe. 1. ed. Rio de Janeiro, CPAD, 2006.
DAVER, Mark. A Mensagem do Antigo Testamento. Rio de Janeiro. 1ª ed. CPAD, 2008.
Fonte: CPAD
Divulgação: pensamentosnaweb