Seguidores

30 de abr de 2011

David Wilkerson: um homem de fé partiu para o Reino eterno

David Wilkerson: um homem de fé partiu para o Reino eterno

Julio Severo
Morreu em acidente de carro, aos 79 anos, o Rev. David Wilkerson, em 27 de abril de 2011, perto de Dallas, Texas.
Rev. David Wilkerson
Wilkerson, um pastor da Assembleia de Deus, ficou conhecido pelo livro e filme A Cruz e o Punhal (estrelado por Pat Boone e Erik Estrada), que retratam como Deus o chamou para ajudar jovens de gangues e envolvidos em drogas e crimes no começo da década de 1960. Naquela época, o governo estava fracassando em seus esforços terapêuticos para lidar com o problema avassalador da delinquência juvenil e uso de drogas. Mesmo contando com todos os recursos financeiros disponíveis (fornecidos diretamente do bolso dos cidadãos que pagam impostos), os programas governamentais de reabilitação se mostravam um fracasso.
Mas Deus não mudou o cenário dando graça e poder a um governo financeiramente bem equipado. Deus deu graça e poder para um pastor do interior financeiramente desequipado. Movido apenas pelo amor de Jesus Cristo e o chamado do Espírito Santo, o Rev. Wilkerson saiu às ruas mais perigosas de Nova Iorque para pregar o Evangelho do Deus que resgata, perdoa e salva.
Movida pela fé que Deus lhe deu, ele começou a ajudar na recuperação de jovens viciados e prostituídos, não com um exército gordamente assalariado de psicólogos, psiquiatras e assistentes sociais estatais. Sua ferramenta principal era a Palavra de Deus e conduzir os jovens à experiência do batismo no Espírito Santo.
O Espírito Santo, conforme a Bíblia, conduz a toda a verdade. Sob os cuidados de Wilkerson e pastores auxiliares, os jovens estavam recebendo o batismo no Espírito Santo, falando em línguas, recebendo vários dons sobrenaturais, inclusive profecia.
Pessoas das ruas experimentavam o poder do Espírito Santo e eram transformadas, sendo libertas das drogas, crimes, prostituição, homossexualismo, etc. O elevado índice de recuperação desses jovens atraiu a atenção da mídia, governo e igrejas.
Mais tarde, quando foi lançado o livro A Cruz e o Punhal, cristãos de todas as denominações que leram o testemunho começaram a ter sede das mesmas experiências pentecostais. Luteranos, anglicanos, batistas e até católicos, ansiando a mesma plenitude do Espírito relatada no livro, começaram a falar em línguas, ter sonhos sobrenaturais, expulsar demônios, curar os enfermos e pregar o Evangelho com um poder e ousadia que nunca tiveram em seu Cristianismo tradicionalista.
O exemplo do ministério de Wilkerson inspirou também o nascimento de centros de recuperação de jovens drogados no mundo inteiro — na base da abertura ao Senhor Jesus.
Eu próprio fiquei impactado com A Cruz e o Punhal. Em 1985, fiquei impressionado também com a visão profética que Wilkerson teve, onde ele revelava que a Grande Babilônia são os EUA. Parecia uma palavra profética grande demais, mas vindo de alguém que tinha autoridade espiritual para dizer, valia a pena considerar.
Meu coração se entristece com a partida de Wilkerson, mas se alegra com o poderoso testemunho que ele deixou. Deus o usou para praticamente dizer ao mundo:
O governo não é a resposta para resgatar, curar, libertar e reabilitar jovens nas drogas, crimes, prostituição e homossexualismo.
O Espírito Santo é a única resposta.
O Espírito Santo é também a única resposta para cristãos que vivem um cristianismo que não cura, liberta e salva os pecadores.
A morte de Wilkerson é mais um lembrete de que não estamos aqui para ficar para sempre. Vivemos neste mundo para glorificar o Senhor Jesus. Por isso, cada um na diferença de seu chamado sob o poder e na plenitude do Espírito Santo, devemos deixar um testemunho que faça diferença profética.
Bendito seja Deus pelo testemunho do Rev. David Wilkerson. Que outros possam ser levantados para ajudar os jovens e as igrejas a conhecerem as profundidades do Espírito Santo.

Divulgação: www.jorgenilson.com

O estranho em nosso lar

O estranho em nosso lar

De vez em quando, vale a pena republicar aqueles e-mails anônimos que recebemos…
Quando eu estava crescendo, nunca questionei seu lugar na minha família. Em minha mente de menino, ele tinha um lugar especial. Meus pais eram instrutores complementares: mamãe me ensinava a fazer a diferença entre o bem e o mal, e papai me ensinava a obedecer. Mas o estranho… ele era um contador de estórias. Ele nos mantinha fascinados por horas sem fim com aventuras, mistérios e comédias.
Às vezes, mamãe se levantava silenciosamente enquanto o resto de nós ficava pedindo para falar baixo uns para os outros para que pudéssemos dar atenção ao que ele tinha a dizer, e ela iria para a cozinha para ter um lugar de paz e quietude. (Fico imaginando agora se ela ia ali às vezes para orar para que o estranho fosse embora.)
Papai governava nosso lar com certas convicções morais, mas o estranho nunca se sentia na obrigação de honrá-las. Palavrões, por exemplo, não eram permitidos em nosso lar — nem a partir de nós, nem de nossos amigos e nem de nenhum visitante. Mas nosso visitante de longa data escapava impune com palavras feias que me ardiam nos ouvidos e faziam meu pai se torcer e minha mãe corar de vergonha. Meu pai não me dava permissão de usar álcool, mas o estranho nos incentivava a prová-lo numa base regular. Ele fazia os cigarros parecerem bacanas, os charutos masculinos e os cachimbos distintos. Ele conversava com liberdade (excessiva liberdade!) sobre sexo. Seus comentários eram às vezes descarados, às vezes insinuantes e geralmente de dar vergonha.
Hoje sei que meus primeiros conceitos sobre relacionamentos foram fortemente influenciados pelo estranho. Frequentemente, ele se opunha aos valores dos meus pais, mas raramente era repreendido… E ninguém NUNCA lhe ordenou ir embora.
Mais de cinquenta anos se passaram desde que o estranho foi viver com nossa família. Ele se adaptou na mesma hora, mas não é praticamente tão fascinante quanto era antes. Contudo, se você pudesse entrar na casa dos meus pais hoje, você ainda o veria sentado no canto, esperando que alguém lhe dê atenção e assista-o mostrar seus quadros.
O nome dele?…
Nós o chamamos simplesmente de “TV”.
Ele tem uma esposa agora… Nós a chamamos “Computador”.
Seu filho é o “telefone celular”.
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Veja também este artigo original em inglês: http://www.lifesitenews.com/blog/the-stranger-in-our-home
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

Divulgação: www.jorgenilson.com

LIÇÕES BÍBLICAS - Lição 5

Lição 5 - 1 de maio de 2011

Texto Áureo: "Acerca dos dons espirituais, não quero, irmãos, que sejais ignorantes" 1 Co 12.1.

Leitura Bíblica em Classe - 1 Coríntios 12.1-11

O USO DOS DONS ESPIRITUAIS EXIGE ENTENDIMENTO

1. O PERIGO DE CONFUNDIR DONS COM EXCITAÇÃO FANÁTICA

* É preciso discernir as manifestações espirituais no culto - I Coríntios 12.1- Acerca dos dons espirituais, não quero, irmãos, que sejais ignorantes.

* É preciso evitar todo tipo de semelhança pagã no culto - I Coríntios 12.2- Vós bem sabeis que éreis gentios, levados aos ídolos mudos, conforme éreis guiados.

* É preciso cuidado com as infiltrações malignas no culto - I Coríntios 12.3- Portanto, vos quero fazer compreender que ninguém que fala pelo ESPÍRITO de DEUS diz: JESUS é anátema! E ninguém pode dizer que JESUS é o Senhor, senão pelo ESPÍRITO SANTO.

2. A AUTENTICIDADE DE DONS VEM PELA INSPIRAÇÃO GENUÍNA

* Todo dom espiritual só é autêntico se for do Espírito Santo - I Coríntios 12.4- Ora, há diversidade de dons, mas o ESPÍRITO é o mesmo.

* A ordenação ministerial só é autêntica se vem do Espírito - I Coríntios 12.5- E há diversidade de ministérios, mas o Senhor é o mesmo.

* As operações divinas só é autêntica pela presença do Espírito- I Coríntios 12.6 - E há diversidade de operações, mas é o mesmo DEUS que opera tudo em todos.

3. A DISTRIBUIÇÃO DOS DONS É PARA O QUE FOR ÚTIL A IGREJA

* É o Espírito Santo que determina a atividade de cada membro - I Coríntios 12.7 - Mas a manifestação do ESPÍRITO é dada a cada um para o que for útil.

* É o Espírito Santo que capacita para uma didática edificadora - I Coríntios 12.8 - Porque a um, pelo ESPÍRITO, é dada a palavra da sabedoria; e a outro, pelo mesmo ESPÍRITO, a palavra da ciência;

* É o Espírito Santo que agencia os dons de poder a ser operados - I Coríntios 12.9 - e a outro, pelo mesmo ESPÍRITO, a fé; e a outro, pelo mesmo ESPÍRITO, os dons de curar;

* É o Espírito Santo que diversifica os dons no que a Igreja precisa - I Coríntios 12.10 - e a outro, a operação de maravilhas; e a outro, a profecia; e a outro, o dom de discernir os espíritos; e a outro, a variedade de línguas; e a outro, a interpretação das línguas.

* É o Espírito Santo que opera dons espirituais numa única causa - I Coríntios 12.11- Mas um só e o mesmo ESPÍRITO opera todas estas coisas, distribuindo particularmente a cada um como quer.


Obs: O esboço é elaborado seguindo o texto bíblico da lição.

Elaborado pelo Pastor Adilson Guilherme

Divulgação: www.jorgenilson.com

28 de abr de 2011

Centenário da Assembléia de Deus no Brasil: Comemoração sombria





Por Geremias do Couto

Ao lado de diversos companheiros, fui um dos mentores da campanha aqui no blog pela unidade no Centenário das Assembleias de Deus. Trocamos com entusiasmo algumas ideias e logo a iniciativa tomou vulto. Uma logomarca foi imediatamente criada pelo Elian, doPhiladelfia - Evangelismo e Louvor, e, em determinado dia e horário, a campanha foi lançada, com a adesão inicial de mais de 80 blogs. Por muito tempo todos ostentamos a logo, enquanto tratávamos de reforçar a mensagem, que, segundo informações recebidas dos bastidores, chegara com força entre a liderança responsável por organizar as celebrações.

Finalmente, chegamos em 2011, ano do Centenário, e estamos às portas da comemoração. Se, por um lado, a campanha aparenta não ter sido bem-sucedida em seus objetivos, por razões que passarei a expor, por outro mostrou que, se soubermos usar bem as ferramentas virtuais, podemos, sim, ter influência e, ao menos, deixar claro se concordamos ou não com a forma como as coisas são conduzidas. Em relação aos 100 anos da Assembleia de Deus, ficou registrado com todas as letras nos anais dos nossos blogs que a forma como foram organizadas as comemorações ora previstas não era a que propugnávamos. Tenho a sensação que a maioria dos assembleianos concorda conosco.
Foto: Selo da Unidade no Centenário
Nosso desejo, como ficou explícito no documento publicado, era que o Centenário unisse a CGADB, a Igreja-Mãe e a CONAMAD e se tornasse um momento apoteótico em nossa história, que poderia, quiçá, mudar os nossos rumos cambaleantes. Isso implicaria em criar, naquele momento, uma comissão tripartite responsável por organizar uma comemoração assembleiana que contemplasse os anseios denominacionais. Algo para jamais ser esquecido. Cheguei a conversar com o presidente da CGADB, durante a AGO realizada em Serra, Espírito Santo, em abril de 2009. Ele se mostrou simpático à ideia. Disse-lhe sem nenhum rodeio que não haveria sentido comemorar a data de outra maneira.

Mas os fatos começaram a mostrar que tanto a CGADB como a Igreja-Mãe caminhariam em direções opostas, cada uma a estabelecer os próprios caminhos. Falava-se, inclusive, em evento paralelo promovido pela primeira, em Belém, PA, com o apoio da Convenção Estadual, na mesma semana em que a segunda promoveria os seus eventos. Não percebi, de ambos os lados, até onde sei, nenhuma disposição de sentar-se à mesa para dar-se às mãos e promover uma só festa: a de todos os assembleianos.

Se havia o interesse da CGADB em manter a coordenação sob o seu controle, também o pastor Samuel Câmara escrevia em seu blog, por outro lado, que a única igreja no Brasil a comemorar 100 anos era a Igreja-Mãe, numa atitude, a meu ver, de aparente arrogância e excludente. Enquanto isso, a CONAMAD aguardava a decisão na arquibancada. Na verdade, desconheço se ela preparou alguma programação no âmbito de sua jurisdição para lembrar o Centenário.

O que logramos alcançar, se é que isso pode ser creditado à nossa campanha, foi a decisão de a CGADB antecipar a "abertura" dos festejos uma semana antes, em Belém, PA, restrita aos líderes no dia 9 e no dia 10 aberta ao publico como Conferência Pentecostal do Norte, deixando a semana seguinte, das comemorações oficiais, para que as igrejas em todo o Brasil, incluindo-se aí a Igreja-Mãe, façam a própria programação. Não é muito, mas é alguma coisa. Todavia, muito, mas muito aquém mesmo, do que almejava a maioria dos assembleianos.

Soube que o pastor Samuel Câmara afirmou em Cuiabá que estará presente juntamente com a Igreja-Mãe na programação da CGADB prevista para a semana anterior. Iniciativa louvável. Mas não poderiam antes ajustar para que houvesse uma só programação? Agora, a pergunta é: estará a liderança da CGADB na semana seguinte, participando da programação elaborada pela Igreja-Mãe? Segundo email recebido nos últimos dias, foi protocolado junto à Secretaria-Geral da CGADB, no dia 28 de setembro de 2010, convite da Igreja-Mãe ao pastor José Wellington para ser um dos preletores das comemorações naquela semana e que até agora não teria sido respondido.

No entanto, algumas coisas me chamam a atenção no convite: 1) a sua natureza tardia (setembro de 2010); 2) a forma como se dirige ao presidente da CGADB, convidando também as igrejas "sob a vossa liderança", como se o pastor de Belém, PA, não fizesse parte da mesma entidade, e 3) a insistência em deixar implícito o sentimento excludente de que o Centenário é da Igreja-Mãe. Ou seja, se erra a CGADB em não ter procurado (até onde eu sei) buscar o entendimento para uma só comemoração, erra o pastor Samuel Câmara (também até onde eu sei) em impor-se como a igreja do Centenário e querer que "todos os peregrinos se dobrem a Roma". Parece-me uma luta entre dois Golias.

Falo com conhecimento de causa por ter coordenado a comemoração dos 80 anos em Belém, PA, simultanemente à realização da Conferência da Década da Colheita, com todas as comemorações realizadas em parceria entre a CGADB, Igreja-Mãe e Convenção Estadual, representados na época pelo pastor José Wellington, Firmino Gouveia e Gilberto Marques. Será que essa família não poderia pôr de lado, agora, os interesses pessoais e repetir o feito? Era isso que queríamos quando propomos a unidade no Centenário, incluindo aí a CONAMAD. Mas pelo andar da carruagem, o que teremos é uma comemoração fragmentada, multifacetada e sem nenhuma alegria para a maioria de nossos irmãos assembleianos em virtude do momento crítico que estamos vivendo.

A razão disso se resume em três palavras: luta pelo poder. Sem entrar no mérito, mas apenas para constatar, enquanto a CGADB formaliza em seus quadros o recebimento de três novas convenções estaduais (certamente comprometidas com a atual gestão), a presidida pelo pastor Samuel Câmara é deixada à margem. Qual a motivação? Interesses do Reino? Acredito que não. É que a polarização no âmbito da CGADB chegou a tal nível a ponto de transformar tudo num "balaio de gatos", com toda a riqueza que a metáfora representa.

Para agravar o quadro, as questões pendentes da CGADB na área financeira continuam ainda na justiça. Dirá alguém que o processo já teve trânsito em julgado, foi extinto, e a juíza que o julgou determinou o seu arquivamento. Essa é uma parte da verdade. Há o outro lado da moeda: a juíza entendeu que aquela não era a via própria para a petição, sem, no entanto, discutir-lhe o mérito, aduzindo que os recorrentes poderiam buscar outros meios para fazer valer os seus direitos. E foi o que fizeram. Os requerentes protocolaram no dia 12 de abril uma nova ação, agora de caráter criminal, no Ministério Público do Rio de Janeiro, solicitando as mesmas investigações nas contas da CGADB desde 2004 (confira aqui).

É nesse ambiente sombrio que estará sendo comemorado o Centenário das Assembleias de Deus no Brasil. A quem, hoje, me pergunta se estarei em Belém, PA, a minha resposta é não. Não participarei das comemorações promovidas pela CGADB, nem das comemorações promovidas pela Igreja-Mãe. Mas aonde eu estiver, darei graças a Deus pelos pioneiros que semearam a semente, andando e chorando, para que outros, no decorrer dos anos, pudessem com alegria trazer os molhos da bendita e farta colheita. Lembrar-me-ei de muitos nomes, entre os quais pude desfrutar da amizade de alguns. Por outro lado, estarei a chorar por ver a cidade desolada, os muros destruídos, as pedras queimadas e o povo desmotivado pelos males que muitos, sem valorizar o sofrimento dos nossos pioneiros, trouxeram sobre a herança de Deus.

Mas não acredito que os escombros permanecerão para sempre, embora este seja o desejo voraz dos Tobias e Sambalates. Outro Neemias será levantado para trazer de volta a glória do Senhor sobre a cidade. Creio nisso.

Perplexos e traídos: pastores negros da capital dos EUA desafiam prefeito por sua defesa ao aborto

Perplexos e traídos: pastores negros da capital dos EUA desafiam prefeito por sua defesa ao aborto

WASHINGTON, D.C., EUA, 15 de abril de 2011 (Notícias Pró-Família) — Depois que o prefeito do Distrito de Colúmbia [capital dos EUA] foi preso por protestar contra uma negociação de orçamento que proíbe que dinheiro do contribuinte do imposto de renda financie abortos médicos na localidade, um grupo local de pastores negros expressou choque com a “paixão” pró-aborto do prefeito e anunciou a abertura planejada de um centro de apoio às mulheres grávidas para ajudar as mulheres da capital dos EUA a evitar o aborto.
Vincent Gray, prefeito de Washington, D.C., foi preso na segunda-feira acusado de passar dos limites depois que liderou um grupo em frente dos prédios dos gabinetes do Senado para protestar contra uma negociação que restaura a emenda Dornan, que proíbe que o aborto seja financiado na capital dos EUA. Estimativas indicam que a iniciativa salvará 1.000 vidas do aborto na cidade a cada ano.
Em resposta, uma coalizão de pastores da capital dos EUA está desafiando o prefeito a tomar uma postura a favor dos “mais pequeninos dos eleitores que verdadeiramente não podem abrir a boca para se defender” — os bebês em gestação.
Uma carta aberta foi assinada por 10 pastores afro-americanos do Distrito de Colúmbia e áreas adjacentes, inclusive pelo Bispo Harry R. Jackson, Jr. e pelo Rev. Dean Nelson da entidade pró-vida Care Net, uma rede nacional de 1.130 centros de apoio às mulheres grávidas.
“Quem poderia ter imaginado durante o pico do Movimento de Direitos Civis um dia em que o prefeito de Washington, D.C. seria preso por protestar a favor do direito de se usar dinheiro de imposto para abortar bebês, quando um número desproporcional desses bebês é da raça negra? Como pastores e líderes comunitários, estamos perplexos e nos sentimos traídos”, declara a carta.
“O aborto é a principal causa de morte na comunidade negra nos EUA”, os pastores escrevem. “Embora as mulheres afro-americanas representem 13% da população feminina, elas realizam 37% de todos os abortos. [Prefeito Vincent Gray], como líder encarregado de nossa proteção e governo de nossa cidade, estamos chocados com sua paixão de continuar essa tendência com o dinheiro de impostos”.
A carta também declara que a coalizão de pastores planeja abrir um novo centro, financiado por dinheiro particular, de apoio às mulheres grávidas em Washington, D.C. neste ano a fim de oferecer às mulheres alternativas ao aborto que defendam a vida.
Esse centro será sustentado por suas congregações, organizações sem fins lucrativos e outras fontes privadas, para oferecer assistência prática, aconselhamento e recursos para ajudar as mulheres a levar suas gravidezes até o fim.
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

Divulgação: www.jorgenilson.com

26 de abr de 2011

BBB, na Globo ou no Congresso, só baixaria

BBB, na Globo ou no Congresso, só baixaria

Deputado gay famoso por sua participação no BBB da Globo ataca cristãos e seus valores

“Os participantes do BBB têm inteligência inferior a de uma ameba. Que as amebas me perdoem”. — Pasquale Cipro Neto.
Julio Severo
Numa carta pública negando que esteja atacando os cristãos, o Dep. Jean Wyllys declarou: “O que fanáticos e fundamentalistas religiosos mais têm feito nos últimos anos é violar a dignidade humana de homossexuais”. O deputado GLBTBBB, cuja formação pública mais importante foi participando do Big Brother Brasil, parece conhecer a palavra “dignidade” apenas para quem pratica a sodomia. Quem discordar perderá a dignidade, virando automaticamente “fanático e fundamentalista religioso”.
O Dicionário de Português Michaelis aponta que “dignidade” significa: respeito, honraria, seriedade e elevação e grandeza moral. O Dicionário Aurélio inclui o sentido de “decência” e “decoro”. Já que essas características importantes estão tão em falta no Congresso, só dá para se imaginar que Wyllys as tenha aprendido no BBB.
No conceito bebebista, então, a sodomia agora é uma prática “decente, decorosa, respeitosa, honrada e de elevada grandeza moral”. Indecentes e imorais são aqueles que veem maldade no ato inocente de um homem enfiando seu sexo no traseiro de outro homem!
O deputado gay é membro do Partido Socialismo e Liberdade (P-SOL). Se o BBB de Wyllys consegue conviver com a decência, decoro e honraria, por que o socialismo não conseguiria conviver com a liberdade?
Wyllys, com a sabedoria suprema do BBB, proclama como seu socialismo gay ama a liberdade:
“O PLC 122 , apesar de toda campanha para deturpá-lo junto à opinião pública, é um projeto que busca assegurar para os homossexuais os direitos à dignidade humana e à vida. O PLC 122 não atenta contra a liberdade de expressão de quem quer que seja, apenas assegura a dignidade da pessoa humana de homossexuais, o que necessariamente põe limite aos abusos de liberdade de expressão que fanáticos e fundamentalistas vêm praticando em sua cruzada contra LGBTs”.
O PLC 122 não representa nenhuma ameaça à liberdade de expressão e religião dos cristãos do Brasil. Palavra de um socialista gay que veio diretamente do BBB!
Logo, será oficial: quem quiser trabalhar como deputado ou senador honrado no Congresso Nacional terá de passar pelo BBB, que terá programas de formação profissional de dois, três e quatro anos para alunos que desejarem se especializar em respeito, honraria, seriedade, elevação e grandeza moral, decência e decoro.
A propaganda da nova modalidade de educação, é claro, terá como exemplo o próprio Wyllys: “Quer ser igual a ele? Venha para o BBB!”
Com o BBB imperando na Globo e Congresso, quem precisa de igrejas cristãs? Quem precisa de valores cristãos? Quem precisa de padres e pastores que incentivam suas congregações à fidelidade conjugal, ao respeito, honraria, seriedade, elevação e grandeza moral, decência e decoro?
Obrigado, Wyllys, por mostrar quão obscenos são os cristãos, que envergonham o BBB e seus integrantes.
Esses “fanáticos e fundamentalistas religiosos” são uma vergonha nacional para a sodomia, não é mesmo, Wyllys?
Ainda bem que agora o Congresso Nacional tem você como exemplo. Com você aí, todo o Brasil saberá que a sodomia tem tudo a ver com respeito, honraria, seriedade, elevação e grandeza moral, decência e decoro.
Obrigado, Wyllys, por sua contribuição de BBB para o Congresso e para o Brasil.
Divulgação: www.jorgenilson.com

CENTENÁRIO DAS ASSEMBLEIAS DE DEUS NO BRASIL



Divulgação: www.jorgenilson.com.br

Se êxodo continuar, em três anos não haverá mais cristãos no Iraque

Se êxodo continuar, em três anos não haverá mais cristãos no Iraque

Grupos de ajuda humanitária que protegem os cristãos perseguidos afirmam que, se não for tomada nenhuma providência, em três anos não haverá mais cristãos no Iraque.

A Portas Abertas Estados Unidos pede o fim do êxodo cristão no Iraque, onde os cristãos têm sido alvos nesse país de maioria muçulmana. Desde o ataque a Bagdá no dia 31 de outubro de 2010, cerca de 95.000 cristãos fugiram do Iraque para países vizinhos como Egito, Jordânia ou Líbano.

Jerry Dykstra, diretor de imprensa, explica que, em apenas cinco meses, um número alarmante de cristãos foram embora do país e, segundo ele, esse número continuará a aumentar a menos que algo seja feito para proteger os cristãos.

“Se você analisar o ano inteiro, vai ver que são quase 200.000 cristãos que foram embora. E, se fizer a média, poucos cristãos sobraram”, ele alerta. “Esse êxodo se dá devido a vários motivos: sequestros, ameaças e assassinatos. Então, fica claro que é um esforço vindo dos extremistas muçulmanos para eliminar a comunidade cristã do Iraque.”

A Portas Abertas está realizando uma campanha entre os norte-americanos para que eles assinem uma petição para a Secretária de Estado Hillary Clinton, pedindo que ela trabalhe com o governo iraquiano para proteger os direitos dos cristãos e de outras minorias religiosas no país.

Portas Abertas

Divulgação: ww.jorgenilson.com

VISITEM O MEU MAIS NOVO BLOG DE NOTÍCIAS GOSPEL: GOSPEL1NEWS.WORDPRESS.COM

Polícia Impede Culto de Páscoa da Igreja Chinesa

Polícia Impede Culto de Páscoa da Igreja Chinesa

Por Nathan Black|Repórter do Christian Post
Traduzido por Abigail Viana dos Santos



Apesar dos apelos dos grupos de liberdade religiosa, as autoridades chinesas continuaram sua ofensiva a uma Igreja proeminente, impedindo centenas de Cristãos de realizar o culto de Páscoa ao ar livre no domingo.

Policias uniformizados e à paisana esperam os membros da Igreja Shouwang, um grupo de protestantes, se reunirem para um culto de Páscoa ao ar livre em um parque rodeado por uma cerca de metal recém-construída perto de uma zona comercial de Pequim, 24 de abril de 2011. A polícia chinesa deteve dezenas de cristãos, no local planejado para um culto proibido no domingo de Páscoa.

Dezenas dos 1.000 membros da Igreja Shouwang, uma das maiores Igrejas protestantes não registradas de Pequim, foram detidos, enquanto pelo menos 500 foram confinados em suas casas, de acordo com a China Aid Association.

"Estamos profundamente decepcionados que as autoridades chinesas tenham decidido interromper adoradores pacíficos que foram simplesmente celebrar a Páscoa hoje," disse Bob Fu, fundador da China Aid e Pastor Presidente, em um comunicado neste domingo.

"Ao fazer isso, o governo chinês mais uma vez demonstra seu total desrespeito à liberdade dos cidadãos chineses de base religiosa e liberdade de culto. Continuamos a exortar o mundo livre a se manter firme em solidariedade aos fiéis perseguidos na China."

Esta é a terceira semana consecutiva que os membros da Shouwang foram impedidos de cultuar. Embora consciente dos riscos, a Igreja evangélica começou a agendar cultos ao ar livre este mês, após a intervenção do governo tornou-se impossível para a Igreja garantir um local fechado para reunião. A Shouwang tem sido expulsa de vários locais alugados.

Antes do culto de Páscoa, a Comissão dos EUA sobre Liberdade Religiosa Internacional apelou ao governo chinês que permita que os Cristãos prossigam com seus cultos de adoração durante a semana mais sagrada do Cristianismo, sem perseguição ou detenção.

O diretor da USCIRF, Leonard Leo denunciou a "intolerância" da China para a atividade religiosa pacífica e observou que, no caso da Shouwang, a Igreja procurou seguir as regras, mas em vão.

"A Igreja Shouwang tentou seguir as regras que o governo chinês continua mudando. A ação de Pequim ainda aliena o rápido crescimento do número de crentes religiosos na China, especialmente durante a Páscoa, a semana mais sagrada no Cristianismo," disse ele numa declaração anterior.

Enquanto a China permite a liberdade de crença religiosa e protege as atividades religiosas, os grupos religiosos devem se registrar com o governo e os funcionários e funcionar de acordo com as entidades religiosas, como a Tríplice Autonomia do Movimento Patriótico e o Conselho Cristão da China.

Não cadastrados, ou casa, as Igrejas não estão proibidas, mas não estão autorizados a apoiar abertamente a realização dos cultos religiosos.

Antes da Páscoa, os líderes da Igreja Shouwang enviaram um e-mail para a congregação para informar a localização da reunião. O e-mail revelou que vários membros da Igreja tinham sido forçados a mudar ou deixar seus empregos, de acordo com o New York Times. Eles também indicaram que esperavam ser parados pela polícia.

De acordo com a China Aid, que monitora os direitos humanos e a perseguição na China, a polícia de Pequim agiu antes detendo quatro evangelistas da Shouwang na quinta-feira. Enquanto isso, o fundador da Igreja e pastor sênior, Jin Tianming, permaneceu sob prisão domiciliar.

Outras Igrejas em Pequim manifestaram a sua solidariedade para com a Shouwang se unindo em oração e jejum.

Em meio à crescente pressão de grupos de direitos humanos, juntamente com a USCIRF, os Estados Unidos está agendado para manter um diálogo de dois dias sobre direitos humanos com a China, que começa na quarta-feira. Os debates estarão centrados na evolução dos direitos humanos, liberdade religiosa e a liberdade de expressão, entre outras coisas.

Fonte:http://portuguese.christianpost.com/noticias/20110425/policia-impede-culto-de-pascoa-da-igreja-chinesa/

Divulgação: www.jorgenilson.com

24 de abr de 2011

SEICHO-NO-IÊ - A VERDADE SOBRE ESSA SEITA

A VERDADE SOBRE A

SEICHO-NO-IÊ

I – HISTÓRICO

O movimento Seicho-no-iê foi iniciado por Taniguchi Masaharu, nascido a 22 de novembro de 1893, na Vila de Karasuhara, município de Kobe, no Japão. Devido à pobreza de seu lar, foi educado por seu tio, de maneira severa. Seu temperamento era retraído e entregava-se à leitura com avidez. Começou a sentir desgosto pela vida e a maldizer a sociedade. Já adulto, teve vários casos de amor, a tal ponto que sua consciência dolorida não o deixava dormir. Contraíra doenças venéreas e pensava tê-las transmitido a uma menina, sobrinha de um chefe seu. Somente sua auto-sugestão de que não existia doença o tranqüilizou, curando-o da insânia e aliviando sua consciência por um período de tempo. Depois de terminar a escola secundária, apesar da oposição de seus pais adotivos, inscreveu-se na Faculdade de Literatura Inglesa da Universidade Waseda, em Tóquio. Alimentava então idéias pessimistas sobre a vida, e procurava uma explicação lógica do mundo e do homem.

Taniguchi entregou-se ao estudo teórico e prático das ciências psíquicas que exerciam atração sobre ele e nas quais depositava a confiança de que poderiam salvar espiritualmente o homem e a sociedade.

Quando a Primeira Guerra Mundial estava no auge, imperava no Japão uma literatura moralizante, espiritualista e nacionalista. Taniguchi dedicou-se novamente à leitura e descobriu uma sutra budista (daizokio), tirando dela o ensinamento fundamental: "Não existe matéria, como não existem doenças: quem criou tudo isso foi o coração... Segue-se disso que a doença pode ser curada com o coração..." Este conceito tornou.se fundamental no Seicho-no-iê.

Em dezembro de 1922 Taniguchi partiu para Tóquio. Escreveu uma dissertação sobre a natureza religiosa do homem, intitulada: Para a Santidade. Estabeleceu os fundamentos da filosofia de Taniguchi: a "Teologia do movimento Seicho-no-iê". Em 1923 escreveu o livro Crítica a Deus, tendo Judas, o traidor, como herói.
Leu Tanisho, livro escrito por um discípulo de Shinram que desenvolveu a idéia do Tariki (salvação pela fé). Para Taniguchi as pessoas não precisavam de uma religião que lhes incutisse o medo, mas que trouxesse uma salvação amigável. Deixou influenciar-se pelas teorias de Bergson, pela lei da ação criadora do coração do livro de Holmes Zenwicke (americano), pela vontade de poder de Adler. Assim leu psicologia, espiritismo e estudou a ciência cristã.

Recebeu a revelação divina (shinsa): "Não existe matéria, mas existe a realidade"(jissô) - ensino básico do Seicho-no-iê. "Você é realidade, você é Buda, você é Cristo, você é infinito e inesgotável. "

Taniguchi misturou introspecção psicológica e fenômenos psíquicos curando os doentes através da auto-sugestão. Tornou-se um verdadeiro feiticeiro do século XX.

Em 1922, Taniguchi lançou uma revista, denominada Seicho-no-iê. A fama dela aumentou; em junho de 1930, Taniguchi inaugurou uma secretaria de imprensa. Em 1934 estabeleceu a direção do movimento em Tóquio; divulgava a fonte do fluido psíquico que garantia saúde aos amigos. Prometeu que a assinatura da revista garantiria afastar o medo de qualquer mal. Em 1935 começou a imprimir grandes anúncios nos jornais, semanalmente. Lago os assinantes chegaram a trinta mil. Em 1936 registrou o Seicho-no-iê como associação Cultural. Em 1941 transformou-o em seita religiosa centralizada no "Komio", espécie de deus pessoal ao qual se dirigem orações. Durante a Segunda Guerra, a seita colaborou com os nacionalistas, influenciando os operários das indústrias bélicas e os colonizadores da Manchúria. Depois da guerra, Taniguchi foi expulso pelo general MacArthur; a filha Emiko assumiu a chefia do Seicho-no.iê.

Taniguchi escreveu uma obra de 40 volumes: Simei no Jissô (Verdade da Vida) - livro básico do movimento. Tendo início em 1930, como simples movimento filosófico psicológico e cultural para propagar certas verdades, o Seicho-no-iê foi adquirindo aos poucos a conotação de religião. Na década de 1940 o movimento foi registrado como religião pelo governo japonês. É a mais eclética de todas as novas religiões. É uma miscelânea das grandes religiões tradicionais, como o cristianismo, o xintoísmo e o budismo, com psicologia, filosofia, medicina e literatura moderna. Os adeptos são até aconselhados a praticá-lo, continuando em suas religiões de origem. O"Kanro no hou" é utilizado como oração e como amuleto.

O emblema central do grupo Seicho-no-iê é formado pelo sol, dentro do qual se vê a lua, a cruz suástica, demonstrando a síntese que realizou das grandes religiões. Seicho-no-iê significa abrigo, casa, lar do crescimento, da plenitude da vida, amor, sabedoria, abundância e todos os demais bens em grau infinito.

Em 1949, o professor Hardmann foi aos Estados Unidos e pediu que Taniguchi Masaharu pudesse desenvolver livremente a sua atividade. A petição estava assinada por americanos de origem japonesa.

Taniguchi continua sendo a alma do movimento. Em 1963 empreendeu sua primeira viagem de conferências pelo mundo, visitando o Canadá, Estados Unidos, México, Peru, Brasil, Inglaterra, Alemanha, Suécia, Suíça, França e Itália. Nos Estados Unidos recebeu o título de Doutor em Filosofia do Religious Science Institute.

Chegou ao Brasil em 1930, com os imigrantes japoneses. Somente depois de 1951 começou a tomar maior impulso, porque suas obras começaram a ser publicadas em português. A sede está na capital paulista desde 1955; há uma Academia em Ibiúna, onde os fiéis se reúnem para o exercício de desenvolvimento espiritual.

No dia l0 de agosto de 1952, autorizada pela Sede Internacional da Seicho-no-iê, no Japão, foi instituída a Sociedade Religiosa Seicho-no-iê no Brasil, hoje Igreja Seicho-no-iê. Está espalhada principalmente pelos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Mato Grosso, Goiás, Pará, Paraná, Rio Grande do Sul, Bahia e Pernambuco.

As primeiras obras da Seicho-no-iê editadas em português começaram a circular em Goiás por volta de 1970, sendo a principal difusão do movimento a realização de seminários, palestras e conferências por professores de filosofia da Seicho-no-ié. Brasilia já possui sua sede própria em edifício típico do Japão. Em Goiás, o primeiro templo construído foi o de Inhumas, e é dirigido pela comunidade local, sediando assim um importante núcleo. Em setembro de 1981 foi realizado um importante seminário no Ginásio Emmanuel, Goiânia. Os lucros das refeições vendidas foram revertidos para a construção do templo na capital goiana.

Em Pernambuco, desde junho de 1975 começou a funcionar em Recife o Núcleo Central, com representações em Garanhuns, Caruaru, Olinda e Paulista. O Núcleo Central de Recife ainda é responsável pelos núcleos de Natal (RN) e João Pessoa (PB).

Circula entre nós a revista Acendedor, órgão do novo movimento, cuja distribuição é gratuita e sistemática, bem como a de uma espécie de calendário com mensagens estimuladoras e positivas.



II-DOUTRINAS E REFUTAÇÃO


O Mal - A Seicho-no-iê é uma das cento e trinta novas religiões do Japão, e sua doutrina resume-se em três principais proposições: matéria não tem existência real; só existe a realidade espiritual; O mal não existe; é pura ilusão da mente humana; O pecado também não existe; é mera ilusão.

"Os males não têm existência real; nada mais são que simples sombra de imaginação." "O mal, a infelicidade, a doença, a depressão econômica, apagam-se quando são firmemente negados, porque eles nada mais são do que ilusões falsamente criadas pela morte." "Os sofrimentos nada mais são do que projeções da nossa mente em ilusão" (Convite à Prosperidade, p. 16, 27 e 71).

A saída para evitar o mal é meditar sobre a verdadeira realidade, que é perfeita; o espírito pode dominar o material e mudá-lo. Não só Taniguchi mas qualquer pessoa é potencialmente Buda e Jesus.

Se o mal é realmente uma ilusão, como explicar os terríveis acontecimentos à nossa volta? Deus é bom. Será ele responsável pelo mal que acontece no mundo? Além de a realidade demonstrar que existe o mal, a doutrina da Seicho-no-iê é antibíblica. Desde o princípio da criação o bem e o mal estão presentes (Gên. 2:9). Jesus ensinou esse princípio quando contou a parábola dos lavradores maus; ela nos mostra que o mal está dentro do coração do homem. O mal é uma oposição deliberada contra Deus: é seguir nosso próprio caminho sem tomar conhecimento de que somos filhos de Deus.

Paulo nos ensina que a nossa luta neste mundo é contra o mal, que quer dominar nossa vida (Rom. 7:15-25; II Cor. 5:1-l0; Ef. 6:12; 1Cor. 15:50). Malaquias profetizou que há um julgamento para os que praticam o mal (Mal. 3). Os outros profetas também falaram contra o mal. João Batista pregou que o machado está posto sobre os que praticam o mal (Mat. 3 : l0).

"Dizer que o mal é uma ilusão é contradizer não somente a Bíblia, que é a Palavra de Deus, mas também ignorar a experiência diária da vivência dos homens em sociedade.''

1. O Pecado

- Na revista Acendedor, nº 75, p. 36, há o artigo "O Pecado Não Existe", da autoria de Taniguchi. Tal afirmação não tem fundamentos, pois é anticientífica, anti-social, sem lógica. Qualquer pessoa racional, de bom senso, observa através da história que alguma coisa está errada com o homem. Não somente os religiosos, mas também os psicólogos e sociólogos admitem o erro que existe no homem e que perturba o seu ajustamento consigo mesmo e com os outros. A Bíblia chama esse erro, esse desvio, de pecado, corrupção, iniqüidade, em contraste com Deus, santo, puro, verdadeiro. "Por um homem entrou o pecado no mundo"" (Rom. 5:12). Trouxe morte física e espiritual (Gên. 2:15-17; Rom. 5:12, 23; Ef. 2:1-3). O pecado domina o homem (Rom. 7:19,20). Cristo morreu pelos nossos pecados e salva o homem dos pecados e da condenação (II Cor. 5:21; 1 Ped. 2:24; Rom. 5:1-11). A Seicho-no-iê não admite o pecado mas fala em culpa, crime, perdão, purificação, mácula, aprimoramento, preguiça, maldade, desgraça, calúnia. Diz que não existe doença, mas prega a cura!

2. Doenças

-- - As doenças não existem; a dor não é real, porque a matéria não tem existência real. As formas físicas, materiais, não passam de sombras da luz celeste a refletir-se sobre a terra. Tudo o que acontece no mundo material é reflexo da mente. "O como carnal não sente dores porque não é matéria" (Acendedor, n.° l10, p. 7). "Como Deus não criou a doença, a doença não existe." "De agora em diante não existirá mais nenhum sofrimento, nenhuma tristeza, nenhuma decepção e nenhum desapontamento" (Convite à Prosperidade, p. l6). A Seicho-no-iê ensina que os seguidores precisam controlar suas mentes. O homem deve procurar sua própria felicidade, mentalizando-a. A própria ciência já fez descobertas extraordinárias: Não somente o homem e os animais sentem dor, mas também as plantas. A Seicho-no-iê prega que "se por acaso a vida apresenta um estado de imperfeição, está doente, significa que você não está contemplando mentalmente a vida de Deus que habita em seu íntimo" (Convite à Prosperidade, p. 53). Nos capítulos11 e 12 de II Coríntios, Paulo descreve o seu sofrimento por amor a Cristo: açoitado pelos judeus; apedrejado; naufragou; em perigo; sentiu dores. Pediu ao Senhor que o livrasse do espinho na carne (sofrimento), mas Deus lhe respondeu: "A minha graça te basta" (II Cor. 12:9). A experiência de Paulo, de Jó e de outros servos de Deus mostra claramente que as doenças não são uma ilusão da mente da pessoa e sim uma realidade. O próprio Jesus Cristo sentiu a dor e o sofrimento em sua carne e pediu que Deus passasse dele esse cálice. A própria experiência humana, fora dos limites da Seicho-no-iê, atesta a realidade da doença, da dor e do sofrimento; em sã consciência, ninguém pode nega-los.

Os cristãos, entretanto, sabem enfrentar a dor, o sofrimento, a morte, a doença, com dignidade, sabendo que "todas as coisas concorrem para o bem daqueles que amam a Deus"(Rom. 8:28).
Se não existisse a doença, como a Seicho.no.iê prega curas milagrosas através de seus livros e revistas?

3. O Homem

- Para a Seicho-no.iê todos os homens são filhos de Deus: os ladrões, os assassinos, os terroristas. O homem é bom. Sem o homem Deus não pode manifestar-se. O homem é puro e perfeito. Como filho de Deus o homem também é Deus. O homem se eleva à condição de Deus pela libertação da consciência do pecado. Não existe matéria, nem carne, nem corpo.

Cristo chamou os fariseus de sua época de filhos do Diabo (João 8:44). Paulo falou em filhos de Deus e filhos do Diabo (At. 13:10). Somente é filho de Deus aquele que recebe a Cristo pela fé (João 1:11, 12). O homem é tão bom que está se destruindo, um ao outro; está destruindo o mundo que o rodeia; está destruindo os animais. Os sociólogos estão desiludidos e não sabem encontrar a resposta para tantos problemas existentes entre os homens. Vemos que o homem sem Deus é uma tragédia total! A Seicho-no-iê diz que o homem é imortal. Não admite a realidade da velhice. Entretanto, o envelhecimento do próprio Taniguchi, com mais de 90 anos de idade, e de todos os seus seguidores, prova a falácia dos seus ensinamentos, sua inconsistência, a incoerência de suas teorias, a ilusão (isso sim) de suas verdades.

4. Deus

- A Seicho-no-iê tem a ousadia de criticar o Pai Nosso. Diz que os cristãos têm por anos e mais anos repetido o Pai Nosso: "...seja feita a vossa vontade assim na terra como no céu", mas tal não se realiza porque o céu não está acima das nuvens nem no mundo das três dimensões; o céu está no íntimo transcendental, aqui e agora (Convite à Prosperidade, p 17)_ o que se deve é mentalizar o céu para que seja encontrado pelas pessoas. Na literatura da Seicho-no-iê não se tem uma noção clara sobre Deus. Ele é panteísta, uma vez que se encontra em cada pessoa, em cada coisa deste mundo.
A Bíblia apresenta um Deus pessoal. Ele criou o homem à sua imagem e semelhança; uma das semelhanças é ser pessoal. A Bíblia ensina que Deus é transcendente, está além do mundo material (Is. 57:15). Deus não habitou no interior de Hitler, Stalin, Mussolini e outros homens perversos. Deus habita no interior dos contritos, humildes, daqueles que dão lugar a seu Espírito.

5. A Bíblia

- A Seicho-no-iê não dá qualquer relevância à Bíblia. Cita-a de maneira vaga e parcial, sem identificação e fora de contexto, sem qualquer exegese, interpretação ou explicação; utiliza alguns textos para favorecer a seita. A regra de fé e prática da Seicho-no-iê são os escritos de Taniguchi. Para a Seicho-no-iê, por ser um livro divino, a Bíblia é o mais humano dos livros. Para nós, cristãos, a Bíblia é um livro milenar. Sua formação foi encerrada há dois mil anos. Há muitas provas de sua inspiração divina: uma delas é o tempo de sua duração; a transformação que tem causado na vida de milhares de pessoas; sua indestrutibilidade. Deus disse tudo o que queria num único livro. A Seicho.no.iê já tem 300 obras escritas mas ainda não disse tudo. Não há comparação entre a Bíblia e a literatura dessa seita.

6. Cristo

- Taniguchi já afirmou que sua religião é superior ao cristianismo porque opera maiores e mais milagres do que Crista. Sente-se com autoridade para interpretar as palavras de Cristo segundo suas próprias convicções. Alguns católicos disseram até que compreenderam melhor a doutrina de Crista na Seicho-no-iê.

Taniguchi é mais crido, mais reverenciado, mais citado do que Jesus Cristo. Cristo disse: "Eu sou o caminho", isto é, o único caminho para Deus, para a salvação. A Seicho.no-iê interpreta essas palavras como se cada homem fosse o caminho, a porta da saída de Deus; não tendo Deus outra alternativa para manifestar sua força a não ser pelo homem. A Bíblia nos ensina que Deus tem usado o homem mas não está preso a ele, não depende dele porque é onipotente. Cristo disse que, se os discípulos se calassem, até as próprias pedras clamariam.

Se não existissem mal, não existiria pecado, e o sacrifício vicário de Cristo não teria razão de ser. Cristo veio para salvar os pecadores, como nos ensina a Bíblia (Luc. 19:10; João 3:14, 15; II Cor. 5:21; 1 Ped. 2:24; 1 Cor. 15:3). Cristo, filho unigênito de Deus veio ao mundo para salvá-lo. Morreu, ressuscitou e foi para os céus, para salvar o homem e interceder por ele.


7. Milagres

- Israel Carlos Biork assim se expressou num de seus artigos: "O fato de no Seicho-no.ieísmo haver muitos milagres, não indica que é verdade. Os feiticeiros no Egito fizeram milagres diante de Moisés. Cristo disse que muitas pessoas vão comparecer diante dele e dizer que profetizaram, expulsaram demônios e fizeram muitos milagres, mas Cristo vai dizer que nunca as conheceu. A Bíblia diz que no fim do sistema atual, haveria muitos cristos aparecendo como salvadores da humanidade. E exatamente para isso que o seicho-no-ieísmo diz que existe, mas só apareceu no mundo em 1929. Diz a reportagem: 'Seu objetivo é construir um paraíso terrestre onde não haja uma só pessoa que padeça de sofrimentos ou enfermidades.' Por que o deus do Seicho-no-ieísmo deixou a humanidade mergulhada no sofrimento e na maldade por milhares de anos, para aparecer somente em 1929? O Deus da Bíblia nunca desamparou a humanidade. Sempre esteve empenhado na sua salvação por meio de Cristo, desde o jardim do Éden, quando o próprio Deus sacrificou um cordeiro para tipificar o Cristo que havia de vir para salvar a humanidade, e que já veio e que salva realmente, não pelos nossos méritos, mas por sua morte vicária." A Seicho-no-iê é uma seita oriental que não entra em conformidade com nossa maneira de pensar e com a nossa maneira de crer. É simplesmente humanista, pensando no aqui e agora; muda os ensinamentos de Jesus; enfatiza o poder de cada pessoa em dominar sua mente, sua vida, sua felicidade. Conhecemos o poder da mente na saúde física e espiritual do homem; entretanto, é impossível realizar todos os bens anunciados pela Seicho-no-iê. Cristo quer que sejamos sal da terra e que anunciemos a verdade nua e crua. Cristo não mencionou apenas palavras agradáveis e positivas; trouxe também a repreensão, o julgamento. Falou também em cada um levar a sua cruz e segui-lo.


NOTAS BIBLIOGRÁFICAS:

8. WOODROW, Alain, As Novas Seitas, p. 228.

9. DROOGERS, André, Ciências da Religião, Vol. II, p. 123.
10.
GARCIA, João Fernandes, artigo: "Profetas Falsos de Nossos Dias, Seicho.no-iê", Jornal Palavra da Vida, nº 89./1980.
11.
BIORK, Israel Carlos, artigo: "Quem São Eles? Seicho-no.iê, a Fraude Que Envolve 400.000 Brasileiros'' - Jornal Palavra da Vida, s.d.



Divulgação: www.jorgenilson.com