Seguidores

29 de jun de 2014

Marxismo e inveja


Marxismo e Inveja

Eu acredito que todas as minorias merecem pleno amparo do Estado contra preconceitos e discriminações e eventual falta de acesso aos direitos e oportunidades mais básicos. Entretanto, o que faz com que eu jamais venha me admitir plenamente esquerdista é o fato de eu concordar com o trecho abaixo até o último ponto.
Todo o evangelho de Karl Marx pode resumir em uma frase: Odeie quem está melhor que você.

"Sob nenhuma circunstância, admita que seu êxito pode dever-se a seu próprio esforço e a contribuição produtiva que fez na vida dos outros. Atribua sempre seu êxito à exploração, à fraude ou ao roubo mais ou menos aberto, aos outros.
Nunca admita que seu próprio fracasso pode dever-se à sua própria debilidade, ou que o fracasso de qualquer outro pode dever-se a seus próprios defeitos, como preguiça, incompetência, pouca inteligência ou falta de previsão."  (Henry Hazlitt )

Esse ódio que esquerdistas sentem pelo dinheiro e pelo fato de que há pessoas que têm mais habilidades para consegui-lo é algo que não consigo sentir.


Churchill concordaria com Hazlitt: O socialismo é a filosofia da falha, o credo da ignorância e o evangelho da inveja, sua virtude inerente é a divisão igualitária da miséria. 

Winston Churchill

Todos amam o dinheiro. Uns admitem, outros não.

Fonte: Marxismo e inveja (http://www.ronaud.com/sociedade/marxismo-e-inveja/)

Divulgação:www.jorgenilson.com

26 de jun de 2014

Alá não é o Deus da Bíblia e Maomé não passava de mais um Falso Profeta


Alá não é o Deus da Bíblia e Maomé não passava de mais um Falso Profeta

Provavelmente, algo que confunde a muitos é o fato de que em algumas traduções da Bíblia para o idioma Árabe, Deus, no original da Bíblia em Hebraico: Elohiym, ter sido traduzido para Allah (Alá). Esse também é o argumento preferido dos proselitistas do Islã (Islamismo) para procurar fazer acreditar que os muçulmanos, os Judeus e os Cristãos adoram o mesmo Deus. Não adoram. As incompatibilidades e desarmonias entre o Alá do Alcorão e o Deus e Pai do Senhor Jesus Cristo são tantas que tornam a Bíblia e o Alcorão completamente opostos entre si. Vejamos.

“Portanto o mesmo Senhor vos dará um sinal: Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, e chamará o seu nome Emanuel.” Isaías 7:14

“Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; o governo está sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz” Isaías 9:6

“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho Unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” João 3:16

O Alcorão afirma o oposto:

“Sabei que Deus é Uno. Glorificado seja! Longe está a hipótese de ter tido um filho. A Ele pertence tudo quanto há nos céus e na terra, e Deus é mais do que suficiente Guardião.”Alcorão, Surata 4, 171

É inegável que os adeptos do Alcorão do Islã não adoram o Deus da Bíblia, o que fica mais do que evidente também pelo fato de os muçulmanos serem um dos mais ativos e cruéis perseguidores de Cristãos em toda a História, e isto sem falar no ódio, expresso em ações, que nutrem pelos Judeus. E Jesus era judeu. Como está escrito:

“Respondeu-lhes Jesus: Se Deus fosse o vosso Pai, vós me amaríeis, porque eu saí e vim de Deus; pois não vim de mim mesmo, mas ele me enviou.” João 8:42

“Vós adorais o que não conheceis; nós adoramos o que conhecemos; porque a salvação vem dos judeus.” João 4:22

O oposto:

“Ó fiéis, não tomeis por amigos os judeus nem os cristãos; que sejam amigos entre si. Porém, quem dentre vós os tomar por amigos, certamente será um deles; e Alá não encaminha os iníquos.” Alcorão, Surata 5, 51

A discussão em torno da origem do nome Alá, Allah (em Árabe transliterado: Allāh) parece ser interminável. Porém, ainda que no idioma árabe Allah possa significar Deus, este não é o principal problema. O principal problema se encontra no Alcorão, onde o falso profeta Maomé (em árabe transliterado: Muhammad ou Mohammed, que significa: digno de ser louvado) descreve uma suposta divindade a qual nada, absolutamente nada, tem a ver com as revelações que Deus faz de si próprio nas Escrituras Sagradas, a Bíblia. E isto já pôde ser visto no início deste artigo, quando confrontamos trechos da Bíblia com trechos do Alcorão do Islamismo.

Deus não pode se contradizer, logo, o Alcorão, que descreve uma suposta divindade completamente diferente e antagônica ao Verdadeiro Deus, não pode ser (e não é) um corpo de escritos que esteja se referindo ao Deus e Pai do Senhor Jesus Cristo. O Allah de Maomé não é, portanto, o Deus da Bíblia.
Segundo o Alcorão de Maomé (ou Corão, do árabe: al-qur’ān, que significa: a recitação), Deus nunca teve um Filho. E, como já visto, Maomé pregava que Cristãos e Muçulmanos não poderiam ser postos em harmonia de amizade.

O trecho a seguir, do Alcorão, é outro absolutamente incompatível e desarmônico com a Bíblia:

São blasfemos aqueles que dizem: Deus é o Messias, filho de Maria. Dize-lhes: Quem possuiria o mínimo poder para impedir que Deus, assim querendo, aniquilasse o Messias, filho de Maria, sua mãe e todos os que estão na terra? Só a Deus pertence o reino dos céus e da terra, e tudo quanto há entre ambos. Ele cria o que Lhe apraz, porque é Onipotente.”Alcorão, 5ª Surata, 17

“Replicou-lhe a mulher: Eu sei que vem o Messias, que se chama o Cristo; quando ele vier há de nos anunciar todas as coisas. Disse-lhe Jesus: Eu o sou, eu que falo contigo.” João 4:25,26

A Bíblia afirma a divindade do Messias Jesus:

“Simão Pedro, servo e apóstolo de Jesus Cristo, aos que conosco obtiveram fé igualmente preciosa na justiça do nosso Deus e Salvador Jesus Cristo" 2 Pedro 1:1

"Mas acerca do Filho: O teu trono, ó Deus, é para todo o sempre; e: Cetro de eqüidade é o cetro do seu reino. Amaste a justiça e odiaste a iniqüidade; por isso, Deus, o teu Deus, te ungiu com o óleo de alegria como a nenhum dos teus companheiros. Ainda: No princípio, Senhor, lançaste os fundamentos da terra, e os céus são obra das tuas mãos; eles perecerão; tu, porém, permaneces; sim, todos eles envelhecerão qual veste; também, qual manto, os enrolarás, e, como vestes, serão igualmente mudados; tu, porém, és o mesmo, e os teus anos jamais terão fim."  Hebreus 1:8-12

"No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus." João 1:1

"E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai." João 1:14

O oposto:

O Messias, filho de Maria, não é mais do que um mensageiro, do nível dos mensageiro que o precederam; e sua mãe era sinceríssima. Ambos se sustentavam de alimentos terrenos, como todos. Observa como lhes elucidamos os versículos e observa como se desviam.” Alcorão, 5ª Surata,75

O Alcorão afirma que Jesus não foi crucificado e que não morreu. O Alcorão também afirma que a crucificação do Senhor Jesus Cristo foi uma simulação.

“E por dizerem: Matamos o Messias, Jesus, filho de Maria, o Mensageiro de Deus, embora não sendo, na realidade, certo que o mataram, nem o crucificaram, senão que isso lhes foi simulado. E aqueles que discordam, quanto a isso, estão na dúvida, porque não possuem conhecimento algum, abstraindo-se tão-somente em conjecturas; porém, o fato é que não o mataram.” Alcorão, 4ª Surata,157

Porém, está escrito:

“Então o crucificaram, e repartiram entre si as vestes dele, lançando sortes sobre elas para ver o que cada um levaria. E era a hora terceira quando o crucificaram.” Marcos 15:24-25

“Irmãos, filhos da estirpe de Abraão, e os que dentre vós temem a Deus, a nós é enviada a palavra desta salvação. Pois, os que habitam em Jerusalém e as suas autoridades, porquanto não conheceram a este Jesus, condenando-o, cumpriram as mesmas palavras dos profetas que se ouvem ler todos os sábados. E, se bem que não achassem nele nenhuma causa de morte, pediram a Pilatos que ele fosse morto. Quando haviam cumprido todas as coisas que dele estavam escritas, tirando-o do madeiro, o puseram na sepultura; mas Deus o ressuscitou dentre os mortos; e ele foi visto durante muitos dias por aqueles que com ele subiram da Galiléia a Jerusalém, os quais agora são suas testemunhas para com o povo.” Atos 13:26-31

“E voltei-me para ver quem falava comigo. E, ao voltar-me, vi sete candeeiros de ouro, e no meio dos candeeiros um semelhante a filho de homem, vestido de uma roupa talar, e cingido à altura do peito com um cinto de ouro; e a sua cabeça e cabelos eram brancos como lã branca, como a neve; e os seus olhos como chama de fogo; e os seus pés, semelhantes a latão reluzente que fora refinado numa fornalha; e a sua voz como a voz de muitas águas. Tinha ele na sua destra sete estrelas; e da sua boca saía uma aguda espada de dois gumes; e o seu rosto era como o sol, quando resplandece na sua força. Quando o vi, caí a seus pés como morto; e ele pôs sobre mim a sua destra, dizendo: Não temas; eu sou o primeiro e o último, e o que vivo; fui morto, mas eis aqui estou vivo pelos séculos dos séculos; e tenho as chaves da morte e do inferno.” Apocalipse 1:12-18

A Bíblia revela a Trindade de Deus. O Alcorão nega a Trindade de Deus

No trecho bíblico a seguir, vemos de modo cristalino a manifestação da Trindade de Deus, o Pai, o Filho, o Espírito Santo

“Batizado que foi Jesus, saiu logo da água; e eis que se lhe abriram os céus, e viu o Espírito Santo de Deus descendo como uma pomba e vindo sobre ele; e eis que uma voz dos céus dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo.” Mateus 3:16-17

O oposto:

São blasfemos aqueles que dizem: Deus é um da Trindade!, portanto não existe divindade alguma além do Deus Único. Se não desistirem de tudo quanto afirmam, um doloroso castigo açoitará os incrédulos entre eles.” Alcorão, 5ª Surata,173

Todas as Religiões do Paganismo prometem Sexo após a Morte, inclusive o Islamismo com seu Alcorão. A Bíblia afirma que não haverá Sexo na Eternidade

“Porquanto, ao ressuscitarem dos mortos, nem se casam, nem se dão em casamento; pelo contrário, são como os anjos nos céus.” Marcos 12:25

O oposto:

“Todavia, os tementes estarão em lugar seguro, entre jardins e mananciais, vestir-se-ão de tafetá e brocado, recostados frente a frente,  assim será! E os casaremos com huris(mulheres formosas) de maravilhosos olhos” Alcorão, 44ª Surata, 51,52,53,54

Os Muçulmanos esperam um “messias” a quem chamam de Mahdi.

Há uma concordância entre os estudiosos das Escrituras, a Bíblia, de que o povo árabe é descendente de Ismael, o filho de Abraão com a escrava egípcia Agar. Porém, diferentemente do que afirmam os muçulmanos, o Messias jamais poderia vir da descendência de Ismael, pois o Messias prometido por Deus, Jesus, o qual já veio, morreu, ressuscitou e voltará para julgar as nações, veio da descendência de Isaque. Deus prometeu que o Messias viria da descendência de Isaque, filho da promessa:

“Deus, porém, disse a Abraão: Não pareça isso duro aos teus olhos por causa do moço e por causa da tua serva; em tudo o que Sara te diz, ouve a sua voz; porque em Isaque será chamada a tua descendência.” Gênesis 21:12

“Livro da genealogia de Jesus Cristo, filho de Davi, filho de Abraão. A Abraão nasceu Isaque; a Isaque nasceu Jacó; a Jacó nasceram Judá e seus irmãos; a Judá nasceram, de Tamar, Farés e Zará; a Farés nasceu Esrom; a Esrom nasceu Arão; a Arão nasceu Aminadabe; a Aminadabe nasceu Nasom; a Nasom nasceu Salmom; a Salmom nasceu, de Raabe, Booz; a Booz nasceu, de Rute, Obede; a Obede nasceu Jessé; e a Jessé nasceu o rei Davi. A Davi nasceu Salomão da que fora mulher de Urias; a Salomão nasceu Roboão; a Roboão nasceu Abias; a nasceu Abias nasceu Asafe; a Asafe nasceu Josafá; a Josafá nasceu Jorão; a Jorão Ozias; a Ozias nasceu Joatão; a Joatão nasceu Acaz; a Acaz nasceu Ezequias; a Ezequias nasceu Manassés; a Manassés nasceu Amom; a Amom nasceu Josias; a Josias nasceram Jeconias e seus irmãos, no tempo da deportação para Babilônia. Depois da deportação para Babilônia nasceu a Jeconias, Salatiel; a Salatiel nasceu Zorobabel; a Zorobabel nasceu Abiúde; a Abiúde nasceu Eliaquim; a Eliaquim nasceu Azor; a Azor nasceu Sadoque; a Sadoque nasceu Aquim; a Aquim nasceu Eliúde; a Eliúde nasceu Eleazar; a Eleazar nasceu Matã; a Matã nasceu Jacó; e a Jacó nasceu José, marido de Maria, da qual nasceu JESUS, que se chama Cristo.” Mateus 1:1-16

Conclusão

“Quem é o mentiroso, senão aquele que nega que Jesus é o Cristo? Esse mesmo é o anticristo, esse que nega o Pai e o Filho. Qualquer que nega o Filho, também não tem o Pai; aquele que confessa o Filho, tem também o Pai. Portanto, o que desde o princípio ouvistes, permaneça em vós. Se em vós permanecer o que desde o princípio ouvistes, também vós permanecereis no Filho e no Pai.” 1 João 2:22-24

 O Alcorão, SEGUNDO A BÍBLIA, é um livro ANTICRISTO!

Fonte:http://intellectus-site.com

Divulgação: www.jorgenilson.com

COMO FUNCIONA O BRASIL - IMPOSTOS MAIS ALTOS DO MUNDO

COMO FUNCIONA O BRASIL - IMPOSTOS MAIS ALTOS DO MUNDO



Fonte: YouTube
Divulgação: www.jorgenilson.com

Festa De Arromba do Mensalão ( Legendado)

LIÇÕES BÍBLICAS - Lição de nº 13 - 29 de junho de 2014

LIÇÕES BÍBLICAS - Lição de nº 13 - 29 de junho de 2014








Fonte: CPAD
Divulgação: www.jorgenilson.com

21 de jun de 2014

O significado da Adoração


 O significado da adoração


"Tu és o meu Senhor, outro bem, não posso senão a Ti somente". (Salmo 16:2)
Adoração deve exprimir a riqueza que Deus representa para o adorador.
 - Nossa visão de Deus afeta nossas atitudes de adoração.
J. B. Phillips, no seu livro "Seu Deus é Pequeno Demais", Ed. Mundo Cristo, SP, pg. 9 a 50, nos dá uma visão desta realidade, onde ele denuncia os conceitos inadequados que muitos têm sobre Deus, que impedem uma visão correta do Deus verdadeiro.
Exemplos:
  • O policial Onipresente - transforma sua própria consciência em Deus.
  • Tal pai, Tal Deus - uma transferência da imagem paterna.
  • O idoso antiquado - Deus como um velho "Papai Noel".
  • O manso e suave - Deus, bonzinho e que não repreende.
  • O Deus dos 100% - quer de nós perfeição absoluta.
  • O Deus do escapismo - busca a Deus somente na hora dos problemas.
  • O Deus capturado - Igrejas que "capturam" Deus para suas 4 paredes, achando que são objetos exclusivos do Seu amor.
  • O Deus Diretor-Presidente - aquele que é grande demais para se importar com...
  • O Deus "de segunda-mão" - conhecemos a Ele pelo que os outros nos dizem.
  • O Deus "da desilusão" - o culpado por uma oração não respondida, da tragédia imerecida, deus que é "desmancha-prazeres".
  • O Deus "Negativo" - pessoas que têm um "masoquismo espiritual", achando que Deus não lhe permitirá serem expansivos, alegres e bem sucedidos.
  • Imagem Projetada - enxergam a Deus através da imagem que têm de si próprios.
  • O Deus "da barganha" - só obedecem a Ele em troca de benefícios.
Quando temos uma visão deturpada sobre Deus, nossa adoração será distorcida. Precisamos conhecer Sua natureza e caráter, para adorá-lo de maneira mais significativa.
DICK EASTMAN, no seu livro "Digno de Louvor", Ed. Betânia, apresenta-nos alguns atributos de Deus, com sugestões práticas para um louvor semanal, onde a cada dia é ressaltado um atributo divino. Exemplo:
  • 1ª Semana: Deus Pai, Tu és AMOR.
    És ETERNO e SINGULAR.
    Tu estás PRESENTE.
    És IMACULADO, GLORIOSO e GRANDIOSO.
  • 2ª Semana: Deus Pai, Tu és SANTO.
    És EXCELSO e FORTE.
    És DIGNO DE CONFIANÇA.
    Possuis SUFICIÊNCIA.
    És INCOMENSURÁVEL e SÁBIO.
  • 3ª Semana: Deus, Tu és MAJESTOSO.
    És CRIADOR, POTENTE e CONSTANTE.
    Tu estás AO NOSSO ALCANCE.
    És GENEROSO e CAPAZ!
  • 4ª Semana: Deus Pai, Tu és JUSTO.
    És INVENCÍVEL, BELO e BONDOSO.
    Tu RESPONDES quando clamamos.
    És IMUTÁVEL e PERDOADOR.
  • 5ª Semana: Deus Pai, Tu és FIEL e RETO.
    És RADIOSO e PODEROSO.
    És SAÚDE, SEGURANÇA e PAZ.
  • 6ª Semana: Deus Pai, Tu és MISERICORDIOSO.
    És ALEGRIA, és INFINITO e ESTÁVEL.
    És MARAVILHOSO, ACESSÍVEL e SOBERANO.
  • 7ª Semana: Deus Pai, Tu és VERDADEIRO e PACIENTE.
    És CONHECEDOR de todas as cousas.
    És COMPLETO, VITORIOSO e BOM.
    Tu és CHEIO DE GRAÇA.
3.2 - Adoração é Meditação e Celebração.
A meditação nos prepara para gozarmos da comunhão com Deus. É o tempo que usamos a imaginação para trazer à mente tudo o que Deus já fez e fará por nós.
A meditação produz a expectativa que alimenta a esperança do adorador, que resulta num culto alegre e de celebração. Consequentemente, nossos cultos na igreja devem ser elaborados visando também expectativas dos ouvintes: participação e entusiasmo.
3.3 - Adorar é render-se (do grego: "proskuneo").
Reconhecer a nossa inferioridade e a superioridade de Deus, colocando-nos à Sua inteira disposição. A idéia básica é a de submissão. O gesto de curvar-se diante de uma pessoa e ir até o ponto de beijar os seus pés.
Ex.: a intenção de Satanás na tentação de Jesus (Mt 4:9, Lc 4:7-8). Jesus responde: "Ao Senhor Teu Deus adorarás (proskunesis) e só a Ele darás culto (Mt 4:10).
3.4 - Adorar é servir (do grego "latreia")
Este termo é usado por Paulo em Rm 12:1, para descrever o corpo entregue a Deus como sacrifício vivo, santo e agradável. Ofertar a Ele toda a nossa potencialidade, capacidade, inteligência, energia, experiência e dedicação. Servir, como reconhecimento da transformação que Ele operou em minha vida. Ele merece o melhor do meu serviço, como forma de gratidão.
3.5 - Adorar é reverenciar (gr. "sebein") a Deus, com temor (gr. "phobos")
O verdadeiro adorador, tem uma reverente preocupação de fazer o que agrada a Deus, e fugir do que agrada ao diabo. João relata : "Sabemos que Deus não atende a pecadores, mas pelo contrário se alguém teme a Deus (gr. "theosebes", que tem a mesma raiz de "sebein") e pratica sua vontade, a este atende" (Jo. 9:31).
Temos de reconhecer não apenas a Sua bondade, como também Sua severidade (Rm 11:2 - considerai a bondade e a severidade de Deus). Reconhecer Sua justiça (Hb 10:31) - terrível coisa é cair nas mãos do Deus vivo). A santidade de Deus nos estimula a obedecê-lo (1 Pe. 1:16 - sede santos, porque Eu Sou santo).
3.6 - Adorar é realizar serviço sacerdotal (do grego: "leitourgeo").
O serviço dos sacerdotes no templo foi superado com o sacrifício de Cristo, o Sumo-Sacerdote, na cruz (Hb 7:26-28).
Paulo oferecia seu serviço pastoral às igrejas, como uma oferta aceitável a Deus (Rm 15:16).
A obtenção de fundos para os carentes da igreja de Jerusalém chama-se "leitourgia" (2 Co 9:12) .
Os cristãos, quando servem aos irmãos, motivados pelo amor a Deus, exercem a "leitourgia" (At 13:2). Quem serve a Deus serve a igreja e vice-versa.

Fonte: O significado da Adoração
Divulgação: www.jorgenilson.com

Estudante fala abertamente de fé em sua formatura, depois de ser proibido antes da cerimônia


Estudante fala abertamente de fé em sua formatura, depois de ser proibido antes da cerimônia

O aluno afirmou que três rascunhos dos discursos foram recusados por falar de fé
Após ser vetado de expressar sua fé cristã em uma escola de ensino médio da Califórnia (EUA), um estudante decidiu falar abertamente de sua crença justo no discurso de sua cerimônia de formatura, aproveitando a presença em massa de amigos, familiares e funcionários da escola.

Durante a oratória, Brook Hamby, aluno da Brawley Union High School, relatou que apresentou três rascunhos de seu discurso e todos foram negados pelo desejo de compartilhar sua fé. E em seguida, destacou por mais que na vida você tenha que fazer coisas que "não tem vontade de fazer", deve assumir o "desejo de fazer o que é certo".

"Nenhum homem ou mulher jamais conseguiu ser verdadeiro ou cumprir seu papel por conta de viver para os outros, e não de pé sobre o que sabiam em seu coração que estava certo ou bom", avaliou Hamby, causando vários sussurros entre a multidão, enquanto falava.

O estudante também citou e enalteceu a Bíblia, como "o maior best-seller de todos os tempos", além de reforçar seu pensamento citando Mateus 5:13: "Vós sois o sal da terra; e se o sal for insípido, com que se há de salgar? Para nada mais presta senão para se lançar fora, e ser pisado pelos homens".

O caso de veto à fé cristã de Hamby não é um fato isolado nos Estados Unidos. Em junho passado, o aluno Roy Costner IV, de 18 anos, da Liberty High School, em Pickens County, optou rasgar seu discurso pré-aprovado e recitou uma oração ao Senhos em sua formatura.

Indignado com as restrições, Hamby recitou sua prece como um desafio para que as autoridades educacionais passem por cima das reclamações dos grupos ateus União Americana pelas Liberdades Civis (ACLU) e Fundação pela Liberdade de Religião (FFRF), responsáveis pela proibição.

Outros dois casos chamaram a atenção da mídia, como o de Kaitlin Nootbaar, em 2012, que teve seu diploma negado após usar a palavra inferno no discurso de graduação, e Angela Hildenbrand, em 2011, que precisou de um apelo na justiça para falar de sua fé.

Christian Post

17 de jun de 2014

A crueldade da Lei da Palmada. Assista!

A crueldade da Lei da Palmada. Assista!

 A crueldade da Lei da Palmada. Assista!
Diversas mídias, populares, especialistas e políticos já se pronunciaram sobre a tal “Lei da Palmada”. Assista esse vídeo e entenda um pouco mais sobre esse absurdo que, como outros deste governo, vem sendo implantado no país. Mais um passo para a destruição da família. Mais um passo para a implantação do fascismo no Brasil. Leis que deveriam ser reflexo da vontade e necessidade social, pois são feitas por pessoas que são eleitas para representar o povo, mas que na verdade não refletem o que a grande massa precisa ou quer. A realidade é que não temos um estado que zela por seu povo, mas um povo que tem se tornado refém do seu próprio governo. Inversão de valores e estruturação de uma ditadura branca nunca foi tão iminente.



Fonte: Revolta Brasil
Divulgação: www.jorgenilson.com

12 de jun de 2014

Pega na mentira


Pega na Mentira

Prostituição aquecida


Prostituição aquecida

Prostituição de luxo
Prostituição de luxo
Mais do que nunca, estão rolando nos saguões do hotéis do Rio de Janeiro livretos com fotos e telefones de garotas de programa – uma péssima propaganda para o Brasil.
Um deles, com contatos de ex-BBBs e ex-miss Bumbum, já foi batizado de “Cardápio Padrão Fifa”.
Por Lauro Jardim/Revista Veja

Divulgação: www.jorgenilson.com

10 de jun de 2014

Lições Bíblicas CPAD - 15 de Junho de 2014


         Lições Bíblicas CPAD           
Jovens e Adultos

http://www.estudantesdabiblia.com.br/images/h_line.jpg



Título: Dons Espirituais e Ministeriais — Servindo a Deus e aos homens com poder extraordinário
Comentarista: Elinaldo Renovato de Lima

http://www.estudantesdabiblia.com.br/images/h_line.jpg

Lição 11: O Presbítero, Bispo ou Ancião
Data: 15 de Junho de 2014

TEXTO ÁUREO

Por esta causa te deixei em Creta, para que pusesses em boa ordem as coisas que ainda restam e, de cidade em cidade, estabelecesses presbíteros [...] (Tt 1.5).

VERDADE PRÁTICA

O presbitério deve ser constituído por pessoas idôneas para auxiliar na administração da igreja local.

HINOS SUGERIDOS

151, 344, 516.

LEITURA DIÁRIA

Segunda - Tt 1.5
O estabelecimento dos Presbíteros

http://www.estudantesdabiblia.com.br/images/cr1.gif

Terça - Tg 5.14
Homens espirituais

http://www.estudantesdabiblia.com.br/images/cr1.gif

Quarta - 1Tm 4.14
A ação do presbitério

http://www.estudantesdabiblia.com.br/images/cr1.gif

Quinta - 1Pe 5.1,2
Presbíteros apascentadores

http://www.estudantesdabiblia.com.br/images/cr1.gif

Sexta - 1Pe 5.3
Como exemplo do rebanho

http://www.estudantesdabiblia.com.br/images/cr1.gif

Sábado - Tt 1.5,7
Bispo — Outro nome para presbítero

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

Tito 1.5-7; 1 Pedro 5.1-4.

Tito 1
5 - Por esta causa te deixei em Creta, para que pusesses em boa ordem as coisas que ainda restam e, de cidade em cidade, estabelecesses presbíteros, como já te mandei:
6 - aquele que for irrepreensível, marido de uma mulher, que tenha filhos fiéis, que não possam ser acusados de dissolução nem são desobedientes.
7 - Porque convém que o bispo seja irrepreensível como despenseiro da casa de Deus, não soberbo, nem iracundo, nem dado ao vinho, nem espanca dor, nem cobiçoso de torpe ganância;

1 Pedro 5
1 - Aos presbíteros que estão entre vós, admoesto eu, que sou também presbítero com eles, e testemunha das aflições de Cristo, e participante da glória que se há de revelar:
2 - apascentai o rebanho de Deus que está entre vós, tendo cuidado dele, não por força, mas voluntariamente; nem por torpe ganância, mas de ânimo pronto;
3 - nem como tendo domínio sobre a herança de Deus, mas servindo de exemplo ao rebanho.
4 - E, quando aparecer o Sumo Pastor, alcançareis a incorruptível coroa de glória.

INTERAÇÃO

A igreja local é o Corpo Invisível de Cristo num tempo e num espaço. Ela é constituída por distintos seres humanos. Por isso, é preciso haver uma liderança que a norteie, a oriente e a administre com sabedoria. Então, aprouve ao Senhor levantar obreiros para dela cuidar. A igreja local jamais pode ser administrada por um único líder. Apesar da importância do pastor titular, este deve contar com um grupo de obreiros aptos a ensinar e a administrar a igreja local: o presbitério. O nosso Pai levantou presbíteros, homens honrados, de boa índole e idôneos, para junto do pastor titular, cuidar e zelar do rebanho do Senhor.

OBJETIVOS

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
·         Conceituar o termo e a função do presbítero.
·         Valorizar o ministério do presbítero.
·         Apontar os deveres dos presbíteros.

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

Caro professor, para concluir o assunto do primeiro tópico, sobre a função do presbítero, reproduza o quadro abaixo conforme as suas possibilidades. Peça aos alunos para discutirem as funções do presbítero apresentadas no quadro, preenchendo os espaços vazios.
Conclua afirmando que a função de um presbítero, em primeiro lugar, é pastoral. Isto implica múltiplas ações e zelo com a igreja local instituída pelo Senhor numa região. Ao final da aula, juntamente com os alunos, interceda pelo presbitério de sua igreja local.

http://www.estudantesdabiblia.com.br/images/img_00200.png

COMENTÁRIO

INTRODUÇÃO

Palavra Chave
Presbítero: Ancião. Pessoa madura na fé.

No início da Igreja do primeiro século havia líderes que orientavam os crentes quanto ao Evangelho, bem como à organização e desenvolvimento da igreja local. O Evangelho frutificou na vida das pessoas, e por isso, surgiam cada vez mais novos crentes. Foi necessário, a fim de garantir o discipulado integral da nova pessoa em Cristo, separar crentes idôneos e maduros na fé para cuidarem desse precioso rebanho. Assim, os apóstolos de Cristo passaram a estabelecer presbíteros para zelar pela administração e a vida espiritual da igreja local.

I. A ESCOLHA DOS PRESBÍTEROS

1. Significado da função. De acordo com a Bíblia de Estudo Palavras-Chave, o termo “presbítero” (do gr. presbyteros) é uma forma comparativa da palavra grega presbys, “pessoa mais velha”. Como substantivo, e no emprego dos judeus e cristãos, “presbítero” é um título de dignidade dos indivíduos experientes e de idade madura que formavam o governo da igreja local. É um sinônimo de bispo (gr. episkopos, supervisor); de professor (gr. didaskolos); e de pastor (gr. poimēn).
2. A liderança local. O apóstolo Paulo cuidou de organizar a administração das igrejas locais por onde as plantava, separando um grupo de obreiros para tal trabalho. Quando escreve ao seu discípulo, o jovem Tito, Paulo o instrui a estabelecer presbíteros em diversos lugares, de cidade em cidade (Tt 1.4,5,7). Está claro, assim, o aspecto pastoral da função exercida pelos presbíteros nas comunidades cristãs antigas.
3. As qualificações. Em o Novo Testamento, as referências aos presbíteros encontram-se no plural: “presbíteros”, “bispos” ou “anciãos” (At 11.30; 15.2,4,6; 20.17; Tg 5.14; 1Pe 5.1). Como a liderança local era formada por um grupo de irmãos experientes na fé para cuidarem da igreja, a função dos presbíteros era pastoral. Portanto, o presbítero é um pastor, um apascentador de ovelhas! A Palavra de Deus expressa qualificações bem objetivas para o exercício fiel dessa função. Tais qualificações estão descritas em Tito 1.6-9 para presbítero, assim como em 1 Timóteo 3.1-7 para “bispo”, denotando o aspecto sinonímico dos dois termos. Uma leitura atenta das duas listas indica a importância da função e como as igrejas não podem descuidar-se quando da ordenação de pessoas para servi-la. O bom conselho do apóstolo Paulo ainda é a maneira mais segura para se separar obreiros.

http://www.estudantesdabiblia.com.br/images/cr1.gif

SINOPSE DO TÓPICO (I)

O termo presbítero (do gr. presbyteros) é um sinônimo de bispo (gr. episkopos), de professor (do gr. didaskolos) e de pastor (do gr. poimēn). Logo, a sua função é pastoral.

http://www.estudantesdabiblia.com.br/images/cr1.gif

II. A IMPORTÂNCIA DO PRESBITÉRIO

1. Significado do termo. “Não desprezes o dom que há em ti, o qual te foi dado por profecia, com a imposição das mãos do presbitério” (1Tm 4.14). Foi dessa forma que o apóstolo Paulo lembrou Timóteo, aconselhando-o acerca do reconhecimento do ministério do jovem pastor pelo conselho de obreiros. O Novo Testamento classifica esse corpo de obreiro de “presbitério” (do gr.presbyterion, substantivo de presbítero, um conselho formado por anciãos da igreja cristã).
2. A atuação do presbitério. No Concílio de Jerusalém, em relação às sérias questões étnicas e eclesiásticas que podiam comprometer a expansão da igreja, os apóstolos e os anciãos (presbíteros) foram chamados para debater e legislar sobre o assunto (At 15.2,6,9-11). Em seguida, os presbíteros foram enviados à Antioquia para orientar os irmãos sobre a resolução dos problemas que perturbavam os novos convertidos: “E, quando iam passando pelas cidades, lhes entregavam, para serem observados, os decretos que haviam sido estabelecidos pelos apóstolos e anciãos em Jerusalém” (At 16.4).
3. A valorização do presbitério. O presbitério deve ser valorizado, pois desde os primórdios da Igreja cristã, a sua existência tem fundamento na Palavra de Deus. O rebanho do Senhor será ainda mais bem atendido se o presbitério das nossas igrejas for preparado para uma atuação mais efetiva no governo da igreja e no ministério de ensino, tal como instruiu o apóstolo Paulo: “Os presbíteros que governam bem sejam estimados por dignos de duplicada honra, principalmente os que trabalham na palavra e na doutrina” (1Tm 5.17). O Novo Testamento mostra que, apesar de haver um pastor titular, o governo de uma igreja não era exercido por um único líder, mas pelo conselho de obreiros (At 20.17-37; Ef 4.11, 1Pe 5.1). O presbitério é de vital importância ao desenvolvimento das igrejas locais e ao bom ordenamento do Corpo de Cristo.

http://www.estudantesdabiblia.com.br/images/cr1.gif

SINOPSE DO TÓPICO (II)

Fundamentado na Palavra de Deus desde os primórdios cristãos, o presbitério atua no governo da igreja local junto ao pastor titular.

http://www.estudantesdabiblia.com.br/images/cr1.gif

III. OS DEVERES DO PRESBITÉRIO

1. Apascentar a igreja. Os presbíteros têm o dever de alimentar o rebanho de Deus com a exposição da Santa Palavra. O apóstolo Pedro bem exortou aos presbíteros da sua época acerca desta tarefa: (1Pe 5.2a). O apascentar as ovelhas do Senhor se dá com cuidado pastoral, não pela força ou violência, como se os obreiros tivessem domínio sobre o Corpo de Cristo. Esse ato ocorre voluntariamente, sem interesse financeiro, servindo de exemplo ao rebanho em tudo (1Pe 5.2,3). Os presbíteros formam o conselho da igreja local cujo objetivo maior é atuar na formação espiritual, social, moral e familiar do povo de Deus.
2. Liderar a igreja local. A liderança da igreja local tem duas esferas principais de atuação: o governo e o ensino. O presbítero, quando designado para essas tarefas, tem o dever de exercê-las na “Igreja de Deus” (1Tm 3.5). Para isso, ele precisa saber “governar a sua própria casa” e ser “apto a ensinar” (1Tm 3.2,4). Liderar o rebanho de Deus, segundo o Novo Testamento, é estar disponível “para servir” e “não para ser servido” (Mt 20.25-28; Mc 10.42-45). Com o objetivo de exercer competentemente esta função, o presbítero deve ser uma pessoa experiente, idônea e pronta a ser exemplo na igreja local. Ensinar e governar com equidade e seriedade é o maior compromisso de todo homem de Deus chamado para tão nobre tarefa.
3. Ungir os enfermos. “Está alguém entre vós doente? Chame os presbíteros da igreja, e orem sobre ele, ungindo-o com azeite em nome do Senhor” (Tg 5.14). O ato da unção dos enfermos não pode ser banalizado na igreja local. Ele revela a proximidade que o presbítero deve ter com as pessoas. O membro da igreja local tem de se sentir à vontade para procurar qualquer um dos presbíteros e receber oração ou uma palavra pastoral. Tal obreiro foi separado pelo Pai e pela igreja para atender a essas demandas.

http://www.estudantesdabiblia.com.br/images/cr1.gif

SINOPSE DO TÓPICO (III)

Apascentar a igreja de Cristo, liderar uma igreja local e ungir os enfermos são algumas das muitas responsabilidades do presbítero.

http://www.estudantesdabiblia.com.br/images/cr1.gif

CONCLUSÃO

Vimos que os termos presbítero, bispo e pastor são sinônimos. Os presbíteros, ou bispos, sempre formaram um corpo de obreiros com a finalidade de contribuir para a edificação da igreja local. Eles exercem uma função pastoral. Nas Assembleias de Deus no Brasil, os presbíteros exercem este serviço, pastoreando as congregações. Eles ainda cuidam da execução das principais tarefas da Igreja: a evangelização e o ensino da Palavra. Portanto, esses obreiros precisam ser bem selecionados e valorizados pela igreja local.

VOCABULÁRIO

Intercambiável: Que pode intercambiar, permutar, trocar ou mudar reciprocamente.
Étnica:
 Relativo a etnia; pertence ou próprio de um povo.
Sinonímia:
 Qualidade das palavras sinônimas; de relação de sentido entre dois vocabulários que tem significação muito próxima.

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

STRONSTAD, Roger; ARRINGTON, French L. (Eds.) Comentário Bíblico Pentecostal Novo Testamento. Vol. 2:Romanos a Apocalipse. 4 ed., RJ: CPAD, 2009.
ARAÚJO, Isael.
 Dicionário do Movimento Pentecostal. RJ: CPAD, 2007.

EXERCÍCIOS

1. Segundo a lição o que é um presbítero?
R. É um título de dignidade dos indivíduos experientes e de idade madura que formavam o governo da igreja local.

2. Qual o significado do termo “presbitério”?
R. “Presbitério” vem do gr. presbyterion, substantivo de presbítero, um conselho formado por anciãos da igreja cristã. O termo designa o conjunto de presbíteros que administram uma igreja local.

3. Relacione os deveres dos presbíteros.
R. Apascentar a igreja, liderar a igreja local e ungir os enfermos.

4. Quais as duas esferas principais de atuação da liderança da igreja local?
R. O governo e o ensino.

5. Qual é o maior compromisso de todo homem de Deus chamado para ser presbítero?
R. Ensinar e governar com equidade e seriedade.

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO I

Subsídio Teológico

“As qualificações dos Presbíteros (1.6-9)
As qualificações no verso 6, de acordo com o idioma original, são condições ou questões indiretas relativas aos candidatos que estão sendo considerados para o ministério. O grego traduz literalmente: ‘Aquele que for irrepreensível, marido de uma mulher, que tenha filhos fiéis, que não possam ser acusados de dissolução [desperdício de dinheiro] nem são desobedientes’ — este pode ser considerado como um candidato ao presbitério [...].
Paulo parece estar usando as palavras ‘ancião/presbítero’ (presbyteros, v.5) e ‘líder/bispo’ (episkopos, v.7) de modo intercambiável [...]. Neste primeiro período da história da Igreja, os ofícios ministeriais eram variáveis e indistintos (STRONSTAD, Roger; ARRINGTON, French L. (Eds.) Comentário Bíblico Pentecostal Novo Testamento. Vol. 2: Romanos a Apocalipse. 4 ed., RJ: CPAD, 2009, pp.704,05).

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO II

Subsídio Histórico Pentecostal

“PRESBÍTEROS
As Assembleias de Deus, especialmente no Brasil, certamente em razão de se constituírem inicialmente de crentes de diversos grupos evangélicos, atraídos pela crença bíblica do batismo no Espírito Santo, do ponto de vista administrativo, ministerial, adotaram uma posição intermediária mais aproximada do sistema presbiteriano. Não admitem hierarquia. Não aceitam o episcopado formal, senão o conceito bíblico de que o pastor é o mesmo bispo mencionado no Novo Testamento. Admitem, entretanto, o cargo separado de presbítero. O presbítero (anteriormente chamado ‘ancião’) é o auxiliar do pastor. Porém, em algumas regiões, em campo de evangelização das Assembleias de Deus, de certo modo, é-lhe dado cargo correspondente ao de pastor, onde, na ausência deste, ele desempenha todas as funções pastorais: unge, ministra a Ceia e batiza. Entre esses, há os que possuem a dignidade, capacidade e verdadeiro dom de pastor.
[...] Porém, na Convenção Geral de 1937, na AD de São Paulo (SP), foi debatida a questão sobre se os anciãos (presbíteros) não poderiam ser considerados pastores. Os convencionais compreenderam, citando textos como 1 Pedro 5.1, Atos 20.28 e 1 Timóteo 5.17, que, em alguns casos, parece haver uma diferença entre anciãos e anciãos com chamada ao ministério, e estabeleceram, assim, a hierarquia eclesiástica que até hoje existe nas Assembleias de Deus: diáconos, presbíteros e ministros do evangelho (pastores e evangelistas).
[...] Nas Assembleias de Deus, embora o trabalho do presbítero tenha a sua definição, passou a ser também visto como o penúltimo cargo a ser exercido pelo obreiro, na sucessão das ordenações, antes de ser consagrado a evangelista ou pastor” (ARAÚJO, Isael. Dicionário do Movimento Pentecostal. RJ: CPAD, 2007, pp.715,16).

SUBSÍDIOS ENSINADOR CRISTÃO

O Presbítero, Bispo ou Ancião

Ao longo da história da Igreja, vários modelos de governo eclesiásticos apareceram. Mas, oficialmente, podem-se classificar três exemplos: o Episcopal, o Presbiteriano e o Congregacional.
No governo episcopal, o bispo é a autoridade máxima numa hierarquia constituída de presbíteros e diáconos. Adotam esse modelo as igrejas Romana, Anglicana, Ortodoxa e Metodista, por exemplo.
O governo presbiteriano é constituído de um conselho eleito pela assembleia geral da igreja local. Tal conselho é formado por presbíteros regentes (administradores) e docentes (pastor titular e pastores que cuidam do ensino e da liturgia) tipificados pelas igrejas presbiterianas de fé reformada. Ainda há o presbitério (regional) subordinado ao Sínodo (estadual) que, por sua vez, submete-se ao Supremo Concílio (nacional).
O governo congregacional caracteriza-se pelas decisões tomadas em assembleia geral constituída pela igreja local. As igrejas batistas são a denominação que mais caracteriza esse modelo.
Tecnicamente, as igrejas pentecostais adotam o modelo episcopal de governo. O das Assembleias de Deus no Brasil constituiu-se pelas funções de Pastor, Evangelista, Presbítero, Diácono e Auxiliar de Trabalho — a função de Auxiliar submete-se à de diácono; esta à de presbítero; esta à de evangelista; e esta à de pastor; mas todas, por sua vez, à de Pastor-Presidente.
Constituída por diversos campos de trabalhos, onde uma igreja matriz exerce a liderança em relação às igrejas setoriais e as demais congregações, e de setores eclesiásticos regionais, a função do presbítero tem uma importância singular na liderança local da igreja. O presbítero da Assembleia de Deus é um pastor local, pois ele pastoreia as congregações sob a supervisão do pastor setorial (pastor de uma igreja setorial da sede), isto é, um bispo responsável pela supervisão de várias congregações em uma região daquele campo de trabalho. Por isso, uma grande e extraordinária tarefa pesa sobre os ombros dos presbíteros.
E importante ressaltar que, segundo o pastor Isael Araújo, no “Dicionário do Movimento Pentecostal” (CPAD), o modelo de governo assembleiano no Brasil foi abundantemente influenciado pelo da Suécia e trazido pelos missionários que lideraram inicialmente a igreja no Brasil quando da sua fase embrionária. Por outro lado, o governo da Assembleia de Deus da América é diametralmente oposto ao da brasileira.

Fonte: CPAD
Divulgação: www.jorgenilson.com