Seguidores

26 de set de 2008

Etíopes impedem o sepultamento de um cristão na cidade de Mito

Etíopes impedem o sepultamento de um cristão na cidade de Mito

A tentativa de realizar o funeral de um cristão protestante, Wetere Guda (46), que morreu de hepatite em 31 de julho, provocou indignação entre os membros da Igreja Ortodoxa Etíope e os muçulmanos na cidade de Mito, na zona de Silte, sul da Etiópia. Wetere, que era um membro da igreja Mekane Yesus, teve seu sepultamento negado na cidade de Mito.
Os líderes da igreja foram atacados durante a primeira tentativa de sepultar Wetere. Posteriormente, o corpo foi enviado para o vilarejo de Wulbarag, a 55 km de Mito.
Wetere estava doente há dois meses antes de morrer de hepatite. Ele deixou sua esposa surda-muda, Tiruye* (35), três filhas: Yehualashet (10), Meseret (8) e Tigist (2), e um filho, Tesfahun (5).
Após a morte de Wetere, os coordenadores da igreja matriz em Hosanna foram rapidamente para Mito para tentar facilitar o funeral. Um grupo foi enviado para cavar uma cova, mas atingiu o muro de um membro da Igreja Ortodoxa Etíope, que cercava e guardava o pedaço de terra que dizia pertencer a eles. Os líderes da igreja de Mekane Yesus expuseram a situação aos administradores da cidade que tentaram resolver a situação.

O clima estava tenso e os administradores da cidade aconselharam a levar o assunto à autoridade máxima. No mesmo dia, alguns líderes da igreja viajaram 30 km para pleitear o caso deles perante o administrador da Zona de Silte, que concordou em enviar um grupo de emergência no dia seguinte.
Na sexta-feira, 1° de agosto, o grupo de emergência reuniu-se com os administradores de Mito e decidiu distribuir outro pedaço de terra do lado oposto da cidade para o sepultamento de cristãos protestantes. Contudo, a comunidade mulçumana não estava feliz com esta decisão e os ameaçaram. Para manter a paz, um terceiro local foi proposto fora dos arredores de Mito.
Primeira tentativa do funeral
Mais tarde no mesmo dia, os líderes da igreja e alguns membros foram acompanhados pelo administrador da cidade até o cemitério que foi proposto para o sepultamento de protestantes. Os líderes e membros da igreja de Mekane Yesus se encarregaram de cavar a cova. Eles levaram mais de duas horas para prepará-la.
Uma pessoa que passava pelo local viu os preparativos para o funeral e incentivou as pessoas do vilarejo a evitarem que o sepultamento do cristão acontecesse. A multidão dirigiu-se ao cemitério protestante. Os líderes da igreja e alguns membros receberam a multidão e perguntaram porquê eles eram contra o sepultamento. A multidão não respondeu e encheu a cova de terra. Quatro cristãos protestantes foram atacados e agredidos, mas conseguiram escapar com poucos ferimentos.

Novamente, os líderes da igreja enviaram representantes para levar o assunto ao administrador de Silte e ao comandante da polícia em Woreba, mas não deram atenção ao pedido. Então os líderes da igreja decidiram levar o caso à administração do Estado em Awasa, a 215 km de Mito.
Os anciãos da comunidade mulçumana e da Igreja Ortodoxa Etíope tinham se reunido na sexta-feira à noite para discutir como poderiam impedir os futuros funerais protestantes em Mito. Então decidiram que o único meio de fazer isso seria pagando para que o funeral fosse feito em outro lugar, como por exemplo, em Wulbarag. Uma pessoa ficou encarregada de comunicar a família de Wetere sobre a decisão e facilitar o sepultamento em Wulbarag.

No dia 2 de agosto, os líderes da Assembléia Central das Igrejas Mekane Yesus no sul da Etiópia e representantes de Mito, iniciaram a viagem para Awasa. No caminho, eles pararam rapidamente em Worabe para informar ao administrador da região sobre seu plano. Sem hesitar, o administrador ligou para o comandante da polícia para que distribuísse alguns policiais para evitar o tumulto em Mito. Ele se ofereceu para acompanhar os líderes da igreja na volta para Mito.

Segunda tentativa
No caminho de volta a cidade de Mito, eles passaram pela cidade Wulbarag, localizada a 55 km de Mito, e presenciaram alguns membros da comunidade de Mito ocupados cavando uma cova no cemitério, nos arredores da cidade Wulbarag. Eles disseram que estavam se preparando para o funeral de outro membro do Mekane Yesus, Teshome.
Os líderes da igreja de Mito ficaram desapontados com o que viram e sugeriram que trouxessem o corpo de Teshome para Mito. “Eu estava abalado e não pude conter minhas emoções”, disse o coordenador da igreja matriz em Hosana.
“Eu pulei para impedir que aquela cova continuasse a ser feita. O administrador também não estava feliz com o que estava acontecendo. Alguns companheiros me disseram que era melhor sepultar Teshome em Wulbarag”, disse um dos opositores.

Processo cíclico

Oficiais do governo e representantes da igreja foram para Mito. Quando chegaram, o administrador convocou a polícia de Mito e os administradores da cidade para outra reunião. Ele prometeu tentar convencer os anciãos de Mito e depois toda a comunidade a dar para as duas igrejas protestantes um pedaço de terra para que fizessem um cemitério. Os líderes da igreja temem que isso nunca aconteça. Eles perceberam que se eles relatarem esse assunto aos oficiais em Awasa, o caso voltaria para o administrador da região de Silte. E o processo começaria tudo de novo.

Tradução: Eliane Gomes dos Santos
Fonte: Missão Portas Abertas

Nenhum comentário: