Seguidores

24 de jul de 2009

Ensino religioso está sendo tirado das escolas públicas para preparar mais jovens para o homossexualismo

Ensino religioso está sendo tirado das escolas públicas para preparar mais jovens para o homossexualismo


Jorge Nilson

Professores da rede pública que recebem seus salários dos impostos tanto dos religiosos quanto dos gays, estão sendo preparados para que a religião seja colocada na lata do lixo enquanto a perversão homossexual é valorizada ao extremo. Dentre várias reportagens destacamos a da Agência Brasil no portal Ig:

"A religião de professores ou da equipe pedagógica da escola também costuma interferir no tratamento dispensado a alunos homossexuais. O presidente da Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT), Toni Reis, diz que muitos educadores levam para a escola “seus conceitos religiosos e fundamentalistas”. Ele defende que uma capacitação para a educação sexual, em seu sentido mais amplo, facilitaria a compreensão".

"O jovem André, homossexual, cursa o 3° ano do ensino médio e diz que o argumento religioso já foi utilizado por uma coordenadora da escola em que estuda para condenar o relacionamento entre alunos do mesmo sexo. “Ela falou que o Deus dela dizia na Bíblia que isso era errado. Nós sofremos discriminação por parte de quem deveria nos orientar. A escola é um ambiente onde deveríamos aprender a respeitar todos e não nos sentir segregados”, desabafa.



Em 2006, Marina decidiu fazer a cirurgia para colocar prótese de silicone nos seios. A direção ficou receosa com a possível repercussão da mudança. Mas, no período do afastamento, o professor substituto trabalhou em sala com os alunos a questão da diversidade sexual e explicou o motivo da cirurgia de Marina. Ao retomar as atividades, Marina respondeu a perguntas dos alunos curiosos, mas não enfrentou nenhum tipo discriminação.

“Dentro da disciplina chamada de ética e cidadania, que substitui o ensino religioso, os alunos são incentivados a desenvolver projetos e pensar a questão do preconceito. Tenho certeza de que esses jovens vão sair da escola com uma cabeça diferente, não vão espancar travesti na rua como acontece por aí”, diz. (Agência Brasil -Portal Ig. em 24 de julho de 2009).
Tanto os professores evangélicos ou de qualquer religião que desaprova biblicamente a perversão homossexual, terão seus empregos ameaçados. Deus está sendo colocado para fora das escolas e as autoridades não sabem por que as drogas e a violência, aumentam tanto entre os jovens. Todos os cristãos verdadeiros devem exigir respeito pela sua crença.
Onde estão os senadores e deputados evangélicos que não protestam, reprovam e lutam contra esse absurdo?
Só Deus sabe onde chegaremos. Só Ele luta pelo seu povo.

Nenhum comentário: