Seguidores

29 de out de 2013

LIÇÕES BÍBLICAS Dia 03 de novembro de 2013

Lições Bíblicas do dia 03 de novembro de 2013









LIÇÃO 5                O CUIDADO COM AQUILO QUE FALAMOS

INTRODUÇÃO

I. O PODER DAS PALAVRAS  
II. O CUIDADO COM A LÍNGUA
III. O BOM USO DA LÍNGUA
IV. SALOMÃO E TIAGO

CONCLUSÃO

O Poder Benéfico do Discurso
(Tg 3.1-5a)

Embora Tiago esteja preocupado com um possível uso indevido da posição de professor ou mestre, por aqueles que não alcançaram a maturidade espiritual, ainda assim acredita que o discurso do homem desempenha um papel importante na determinação e no controle de todas as formas de conduta. Portanto, inicia afastando-se um pouco dos leitores, não porque seja merecedor de alguma honra especial, mas porque agora se tornou objeto de um maior escrutínio (“Meus irmãos, muitos de vós não sejam mestres, sabendo que receberemos mais duro juízo”, v.1). Em seguida, conduz seus leitores de volta à discussão (“Todos tropeçamos”, v.2) de forma a não se elevar tanto perante eles e deixar clara a impressão de que os “professores” ou “mestres” não são possuidores de uma posição superior ou de uma perfeição moral dentro da Igreja (estes também “tropeçam”).
Essas manifestações de retórica são importantes porque o ofício de ensinar era altamente considerado nos primórdios da Igreja, e a pretensão de “muitos” da congregação de se tornarem mestres, aos quais Tiago está se dirigindo, é a causa de sua preocupação com a ambição pelo poder e pela posição (veja 1.9,12; 2.1-4 e comentários). Os que podem suportar o julgamento mais rigoroso que aguarda os mestres são aqueles cujo discurso e obras devem ser mutuamente consistentes; devem não somente ser “perfeitos e poderosos” no que dizem, mas também capazes de “refrear todo o corpo” (v.2).
Tiago emprega duas metáforas para descrever a habilidade da língua em “refrear todo o corpo” ― o freio nas bocas dos cavalos e o leme no navio. Nos dois exemplos, qualquer uma das menores partes é capaz de controlar a direção e as ações de todo o conjunto. No entanto, a relação entre a língua e o resto do corpo é diferente daquela de um freio com o cavalo ou de um leme com o navio; ela não controla diretamente as ações de uma pessoa. Devido à imperfeita adaptação dessa analogia, alguns comentaristas sugeriram que Tiago está estendendo sua discussão ao papel dos professores da Igreja. É a “língua” do mestre que controla todo o “corpo” da Igreja. 
Porém, a principal preocupação de Tiago nessa seção da carta [...] está dirigida às atitudes individuais dos crentes, e não à vida coletiva da Igreja (uma questão que ele analisa em 5.13-20). Assim sendo, é possível que esteja pretendendo que suas metáforas sejam entendidas dentro de um sentido mais amplo. Pode ainda estar fazendo uma ilustração da ideia dos ensinamentos de Jesus quando diz que “do que há em abundância no coração, disso fala a boca” (Mt 12.34; cf. Tg 3.10, onde o desejo do indeciso coração humano profere tanto a bênção quanto a maldição). A própria “língua” é uma metáfora da linguagem humana, indicando claramente a natureza dos desejos interiores que definitivamente orientam e determinam todas as ações de uma pessoa. Tiago chama a atenção para essa questão fundamental da vontade dizendo explicitamente que freios são usados “para que [os cavalos] nos obedeçam” (v.3), e que o leme é utilizado para que dirija as naus “para onde quer a vontade daquele que as governa” (v.4).
Até esse ponto, Tiago tem enfatizado os aspectos positivos do discurso humano. Se a frase “se alguém não tropeça” estiver expressando a aceitação e a conformidade com a vontade de Deus, como se fosse a nossa própria, então seremos capazes de “também refrear todo o corpo” e de nos dirigirmos para longe das “muitas coisas” nas quais “todos tropeçamos” (v.2); Porém, agora ele está sugerindo que muitas vezes a “língua” não está a serviço dos propósitos mais nobres. Embora a língua seja “um pequeno membro... gloria-se de grandes coisas” (v.5). A ostentação pode ser “maligna” (4.16) se indicar autoconfiança ou auto-realização, ao invés de ser uma expressão de confiança e louvor pelo que Deus já realizou em nós (veja 1.9,10 e comentários). Nos versos seguintes, Tiago muda seu enfoque para o uso indevido do discurso humano.

Texto extraído do Comentário Bíblico Pentecostal Novo Testamento, Vol.2, editado pela CPAD.

Divulgação: www.jorgenilson.com

Nenhum comentário: